2018 - Cláudia Paiva Silva

Sunday, December 30, 2018

Antes de 2018 acabar, a sempre eterna pergunta.. Amizade ou Amor
December 30, 20180 Comments

Ainda antes do ano fechar as cortinas do seu acto, achei interessante pegar neste tema tão antigo como moderno, uma vez que nunca, em nenhuma época histórica, nunca em nenhuma década de maior ou menor resultado científico, tecnológico ou filosófico, se conseguiu chegar a qualquer conclusão. 
Podemos atribuir a uma questão de sorte, de química, de física, de equilíbrios neurológicos que passam pelos sentidos humanos (e não só), aos deuses do oculto, ao oculto em si, mas o certo é que, tal como a amizade, o amor não é explicável, não é fácil sequer. Sim, o Amor não é apenas uma doença como diriam os Ornatos, o Amor é sim complicado, matreiro, e realmente, muito difícil, tanto de cuidar e manter, como às vezes, de encontrar.
Este ano, nomeadamente neste último trimestre, uma vez mais a televisão nacional, à procura de audiências e escândalos, fez-nos o obséquio de nos presentear com a versão lusa de uma fórmula internacionalmente conhecida: gente que eu quero acreditar serem especialistas nas suas respectivas áreas de psicologia, terapia, psiquiatria e outros, tentam "juntar" almas que se adivinham serem "gémeas". Não é chocante. A ideia não será certamente nova - afinal poderão existir vários meios e métodos para se encontrar a outra metade da laranja, seja nos jantares dos amigos, nos bares, nos copos à noite, nas redes sociais à distância de vários cliques (e com alguns grandes riscos na mesma medida). Aliás, nem me choca que hajam vários e várias a concorrerem a este tipo de programas, que, também quero acreditar, o façam sem ser por protagonismo ou pelo dinheiro que ganhem (que não é assim tanto quanto isso, diga-se desde já). O curioso é que realmente, hoje em dia, continua a ser completamente impossível compreender os sentimentos de Amizade e de Amor. Tanta investigação, tantos tratamentos encontrados, tanta evolução e conhecimento, e não há ninguém que nos possa explicar concretamente a razão que faz com que duas ou mais pessoas ganhem laços tão fortes que possam durar uma vida toda. 
Estive igualmente a ler o artigo escrito pela Catarina Fonseca na Revista Activa (Janeiro 2019), sobre as amizades improváveis, ou seja, casos em que pessoas tão diferentes entre si acabam também por se tornarem grandes (e fortes) amigos. Às vezes basta a forma como estão lá para nós em determinadas fases da nossa vida, o tipo e a forma de apoio que nos dão em momentos (geralmente) maus e negativos que estejamos a passar. Noutras ocasiões é uma questão de empatia, de objectivos em comum, de to-do-lists que fazem sentido em conjunto; e outras vezes apenas entram porque têm determinado lugar e porque têm algo a fazer, a modificar em nós, e da mesma forma que entram, saem. Para sempre. Aquelas pessoas que às vezes nos lembramos, que ficamos a inquirir o que é feito, qual foi o seu rumo a seguir - e ficamos exactamente aí. Na pergunta, porque na verdade e no fundo, sabemos que já não fazem mais sentido no rumo que, entretanto, nós, após a sua retirada, decidimos seguir. 
No que concerne o Amor, as coisas pioram. Porque o Amor poderá não ser bonito. Poderá e deverá doer - e isso acontece mesmo naquele que dura a vida toda, mais tarde ou mais cedo, dói. Muitas vezes requer que se façam escolhas, que nos esqueçamos de alguma parte interior nossa, que haja flexibilidade e compreensão. E hoje em dia, num mundo rápido, num mundo que não está para esperar, porque as pessoas, os humanos, já não sabem parar e esperar (mesmo aqueles que vão para longe com ideia de "desaparecer", acabam sempre por lá publicar uma foto ou outra do estado zen em que supostamente se encontram), será que há quem tenha paciência para conhecer o par. No programa acima mencionado, o que mais se vai verificando (e isto pelos poucos minutos que perco volta e meia em ver), é que, além de não terem acertado na fórmula mágica (nem de Amor e em alguns casos, nem tão pouco de Amizade) é que não há respeito. Sim, é mau o suficiente conhecer o marido/mulher no dia do enlace, e tudo poderá começar a correr mal logo ali - porque a empatia geralmente é imediata, ou aquela pessoa te chama a atenção ou não (já que aconteceu ir a uma festa com a ideia preconcebida, dada por um familiar de uma amiga, que o fulano X seria perfeito para mim, e no entanto, mal entrei, bati de olho no fulano Y e foi exactamente esse que também me achou piada), mas é mais complicado quando no dia a dia, no convívio, não há espaço para entendimento quando as pessoas já têm os seus ideais de romance, o que querem num parceiro/a e afinal está tudo ao contrário, e nada é como eles imaginaram e o egoísmo é tão mais mensurável que também não há mais por onde continuar. 
Não, não acho que seja uma fórmula retrógrada - e isto é outra questão. As pessoas, na época actual, estão na verdade sedentas por companhia. Não há quem consiga imaginar-se a viver sozinho (de uma forma geral são ideias muito enraizadas por uma sociedade que se diz moderna, mas que também aponta o dedo a todos aqueles e aquelas que aos 30 e tal anos ainda são solteiros ou vivem uma vida mais independente), há um medo tremendo de se morrer sozinho um dia mais tarde. Contudo, todos nós iremos morrer sozinhos, de uma forma ou de outra. A diferença é se teremos alguém a lembrar-se de nós com carinho e saudade, ou não. E de certa forma acho que o Amor é exactamente isso, aquilo que transmitimos de Bom aos outros e que os outros poderão reconhecer em nós. E que também pode acabar de forma como começou. Pelo menos o Amor apaixonado. Porque o outro, quando há, dura sempre, quando é verdadeiro, é para a vida, e como diz lá no Livro, tudo Perdoa. 
Mas não, não haverá uma fórmula para o descrever. É sentir.

Reading Time:

Saturday, December 29, 2018

Último sábado do ano
O que se quer desta vida
December 29, 20180 Comments
Sim, posso andar mais "depressiva", ou mais realista com o dia-a-dia, ou mais sarcástica, ou mais imune aos sentimentos, mas claro que a sobrevivência diária mencionada anteriormente não será realizada sem ajuda externa. Os mais maravilhosos medicamentos que foram criados para humanos. Ou para alguns humanos. Ou, no caso específico, para mim. Porque cada um de nós é único, tem gostos específicos que nos tornam mais ou menos diferentes dos demais que nos circundam. Um dos atenuantes é e sempre será O Amor. Mesmo que eu nem sempre esteja disposta a recebe-lo ou a dá-lo (principalmente a dá-lo). Outro serão os Livros. Sempre e mais. Os únicos escapes que me fazem viajar, aprender, pensar.
Fiz uma lista. Não para ler apenas em 2019, mas para ir lendo. Livros novos a juntar aos milhares que já tenho por ler. Tenho anos em que leio 5 a 6 livros, outros em que nem um único consigo chegar ao fim. Outros em que começo a ler vários ao mesmo tempo e termino uns a seguir aos outros. Geralmente os temas são sempre os mesmos. Ou relacionados, não valendo a pena entrar em detalhes, pois seria realmente aborrecido e de certa forma estranho ou obsessivo para outros, embora não deixe de ter a sua piada, mas na verdade, começando a ler algumas curiosidades de certa época histórica, há sempre uma tendência natural em procurar saber mais, mais atrás no Tempo e na História. 
Então é por aí que o que se quer desta vida também seja mais histórias, mais História, mais memórias, mais Amor. E conhecimento. É ou deveria ser essa a diferença que faria da Humanidade realmente uma espécie diferente de todas as outras, o facto de querermos saber mais, sobre nós mesmos e sobre quem o que nos rodeia. 
Reading Time:

Thursday, December 27, 2018

O que se leva desta vida
December 27, 20180 Comments
Com a idade fui perdendo a paciência. Com a experiência percebi que as minhas batalhas pessoais são somente isso - batalhas pessoais, as quais ninguém quer saber, ninguém quer ler, ouvir, ou aprender. Então, além da paciência, desisti de querer mudar o mundo. Já não era sem tempo. E se me permitem, os últimos anos podem ter sido muito maus, 2018 não foi muito diferente. Fiz tanta porcaria, vi tanta desfaçatez, máscaras a cair, pessoas a mostrarem realmente quem são, vi-me envolvida em tricas que só terminaram mal (para mim claro), a mentirosa, a feia, aquela a quem se perdeu a confiança. Enfim, mais do mesmo, mas com a minha certeza que seja o que for que aí venha, quero apenas e desejo apenas sobreviver um dia de cada vez. Só isso. 
Em 2018, até à data, o que levo é que às vezes, para que alguns possam Viver, outros têm de morrer. E como é às vezes tão fácil perceber o que é incorrectamente correcto. O filme A Star is Born é o terrível exemplo do excepcionalmente maravilho e triste. É uma alegoria moderna. É a constatação de que a vida não tem de ser perfeita (nunca é perfeita e desengane-se quem achar o contrário), e que as coisas podem nem sempre correr bem. 2018 voltou a trazer-me sensações de perda, de tristeza e culpa tão profundas que me pareceu que algumas situações passadas, camufladas por outras agora bem mais recentes, nunca passaram - tenho a certeza que nunca passarão. Porque marcou-me profundamente, porque me transformou, porque me matou por dentro. E sim, é isso que 2018 me ensinou, metade de mim morreu lá atrás, e não mais vai renascer, por muito que eu tente ou que tentem compensar o peso na balança.
2018 ensinou-me também que estamos num crescente avanço de racismo, extremismo, generalização de massas e de pensamentos estranhos e irracionais. Deveríamos ter noção que os actos violentos contra pessoas de outras raças e credos, embora nascidas e criadas nos países ditos culturalmente superiores, irão crescer mais e mais, e que mesmo entre pessoas da mesma cor de pele comece a haver nova elitismo, separação por estratos sociais, contas bancárias, pedigree familar. 
Tenho plena consciência que os movimentos neo-feministas que terão nascido, certamente, pelos melhores dos motivos, estão a dar origem à própria segregação das mulheres numa série de acontecimentos. Que querermos tanto sermos respeitadas nos vai levar novamente a uma retrogradação geracional. Que tudo pelo qual andamos a lutar, só resulta em mulheres a maltratarem outras mulheres. 
2018 ensinou-me que, tal como escrevi ao início, não merece a pena falar ou ensinar aqueles que não querem aprender, que têm cada vez mais as suas ideias e ideais enraizados, pequenos ditadores com dogmas e tabus. 
2018 ensinou-me também que apesar disso, continuo a lutar pela cultivação das Ciências da Terra, embora a Geologia se tenha tornado um fardo demasiado pesado para a sociedade moderna.
Mas também 2018 me deu a perceber que se calhar está na hora de mudar de vida. De rumo. Que se calhar posso fazer tão e tanto mais do que faço até agora. 
O que se leva da Vida não é aquilo que ela nos dá, mas sim aquilo que nós queremos fazer dela. E eu ainda estou a aprender e a conhecer o que quero dela. 
Por agora, apenas e só, Sobreviver. 
Reading Time:

Sunday, November 18, 2018

Nem sempre há final feliz
November 18, 20180 Comments
Há dias, nas minhas visitas às paginas de outros, li o costume. Que ser-se influencer vai muito mais além do que publicitar as marcas, as roupas, os perfumes, as coisas completamente inúteis, que na verdade, usamos todos os dias, porque fazem parte dos nossos rituais privados, mas que no fundo, não nos trazem nada de mais, de novo ou de melhor. Não nos torna melhores pessoas. O querer e o ter, indicam, por vezes de forma enganadora, que aquela pessoa tem Poder, poder financeiro, poder para aquisição, poder para fazer mais, ou ter mais. E isso leva a invejas,  e as invejas a actos e palavras más. Sentimentos maus e negativos. Por isso, quando se quer ser influenciador ou influenciadora, tem de se saber exactamente o que se quer partilhar, ter objetivos concretos em mente, bons ideais de e para a vida. Geralmente para a própria vida. Se esses depois puderem influenciar os outros, melhor. Como no filme "Bohemian Rhapsody": "good deeds, good words, good thoughts". O que será que queremos mesmo mostrar aos outros? São pequenos momentos que nos dão prazer? Coisas giras que as outras pessoas podem igualmente realizar ou concretizar para se sentirem melhor?




Mas como é que gerimos os nossos fantasmas, como podemos mostrar aos outros ou quando, o lutar e lidar com as sombras negras que nos perseguem? Porque nem sempre há final feliz, porque a vida muitas vezes é e continuará sempre a ser uma luta diária, em que as pessoas mostram um exterior reluzente em lantejoulas, purpurinas coloridas, vestidos e roupas combinadas, em contexto social ou familiar muito bem arranjado, muito "in" ou na moda, mas por dentro são vidros partidos que cortam a carne e chegam ao osso. Porque haverão dias em que nem apetece sair da cama, não se quer enfrentar o mundo, não há como sair do fundo do poço, mesmo com cordas e escadas que nos coloquem em mãos. Apenas há um vazio, uma tristeza imensas, um vácuo que não se preenche com nada. E não, não há como estar a ajudar ninguém a passar por isto mesmo, quando nós próprios estamos a atravessar o momento mais negro. E não, também não há momentos depressivos apenas àqueles tais que "podem ter o Tudo", há em todos aqueles com os quais me cruzo na rua, no comboio, gente que eu vejo que também tem as suas cruzes a suportar, os seus problemas a resolver. Como eu. Como todas as mulheres e homens, rapazes e raparigas que estão nas redes sociais. Que tiram fotos em ilhas paradisíacas e comem em restaurantes 5 estrelas, mas que no fundo, por detrás dos telemóveis e das máquinas fotográficas, são humanos e mortais. Existem dores comuns a nós todos. E sim, devemos agradecer por termos possibilidade de o dizer, e sim, poderíamos não ter um tecto, ou comida na mesa, ou um emprego sequer. Podíamos viver num país em guerra, ou sem liberdade (seja qual for o vosso conceito para tal). Poderia nem ter a oportunidade de já ter conhecido alguns dos cenários mais bonitos do planeta. E poderia nem estar aqui sequer. 
Porque a depressão, depressões agudas ou de arrasto, esgotamentos, ansiedade afectam as pessoas que vivem a vida real. E isso também deveria ser debatido nos milhentos workshops que são feitos por aí. Ou simplesmente, partilhem mais, no no sentido do detalhe pessoal, mas sim, no geral. Deixem-se conhecer um pouco melhor, mostrem que têm falências. Façam das vossas dores, forças para vocês e para os outros. Das minhas dores, dos meus pesadelos, dos meus pesos na consciência, forças, para mim e para os outros. 




Reading Time:

Saturday, August 18, 2018

Urban Jungles
August 18, 20181 Comments
Considering the huge number of tourists up and down Lisbon, one may wonder if the city will not lose its typical light, the fascination among the small streets of Alfama, Mouraria, Bairro Alto, now filled with foreigners more than with locals. Can a person manage to "get lost" on purpose in the small alleys, backyards and "patios" when everyone is heading for the same tour guide scenarios?




It is however in that precise moment when we discover that there's more to see than the obvious and that the "tuk tuk" self-made man and woman do not know it all yet (and we must thank the gods for that).


There are still some quite exquisite places that even though can be meet & greet by everyone, not everybody (including the city natives) are familiarized with, and those are what cab be named as "urban jungles". Maybe it's too farfecthed but the city was not only created to support big buildings, vahicles, public transports. There are also beautiful gardnes and greenhouses where we can actually escape inside the turmoil but at the same time forget the world outside (a bit like Alice and the mirror).


Resultado de imagem para parque eduardo vii anos 40
(CML Archive - Parque Eduardo VII in the 30's)


The Lisbon Greenhouse (Estufa Fria) located at the Parque Eduardo VII was built on the location of a former basalt quarry dated from the 19th century. In 1912 one of the gardeners responsible for the new vegetation that was to decorate "Avenida da Liberdade" decided to create a shelter for the delicate plants that were being imported from all over the world. With the advent of the 1st World War, this plan was put on hold and the plants started taking root in the small sheltered place where they had been housed taking advantage of the mineral rich soils from basalt origin. In 1926 the painter and architect Raul Carapinha was surprised to find this pleasant space and thought it would be a good idea to establish a Greenhouse at the site. Four years later the project was completed and in 1933 it was officially inaugurated. 



Resultado de imagem para parque eduardo vii anos 30
(Parque Eduardo VII in the 30's)


During the 40's the greenhouse suffered a few alterations was well as the park landscaping, and a new lake, entrance and a ball room (by Edgar Cardoso) were added to the infrastructure extending its area. Finally in 1975, the "Hothouse" (with tropical and equatorial plants) and the "Sweet House" (where the beautiful cactus lay) were open to the public by Pulido Garcia.




As a tourist myself I'm shamed of not knowing most of these gardens. If it's true that while we are young we don't care, it is also true that becoming an adult with strict timetables, schedules and more responsability laying in our shoulders we never seem to find "time" to enjoy ourselfs at this places.

I love being wonder. I mean I love getting surprised by places I visit and for sure the Greenhouse had that overwhelming effetc on me. After more than a century after its opening it makes even more sense its presence in a city like Lisbon. In the 40´s and 50´s the capital limits to the "região saloia" ended up there. After that limit only farms and fields were seen until what the eye could reach in the horizon.
Today that region corresponds to the suburbs and it became imperative to have a loophole to run from the imense craziness, noise, confusion of every day living or surviving. 


Inside the Greenhouse the architectural impact is huge. The obvious luxurious green in high contrast with the ceiling wooden rips that provide the proper light and temperature conditions for plants, trees and unusual flowers to grow and develop is quite a sight, and the feeling of entering into a tropical forest is imense. 



Don't forget that it's an open ceiling so it really pours inside when it rains and it can get extremely hot in high temperature days. Apart from that advice, I will return several times. It's free sunday and holiday mornings so it's impossible not going there. 

An attraction and bond was created. It will remain.

Reading Time:

Wednesday, August 08, 2018

Quando Bordalo já não é o Pinheiro original..
August 08, 20181 Comments
Pegar em lixo e fazer com ele obras de arte não é para todos. Claro que não falo em lixo biodegradável, mas sim naquele que se não for realmente tratado, apenas irá encher o nosso já tão doente planeta de mais mazelas físicas e visíveis.
BordaloII tem essa capacidade, muito mais do que a Joana (não desfazendo) tem de pegar em tachos e fazer sapatos Cinderal tamanho Triple XL, ou em tampões e criar candelabros (volto a dizer que gosto muito de alguns trabalhos dela). 
Mas o que ele faz transcende um bocado a fasquia. Porque mesmo com obras lindísismas, acusa-nos, a todos, de sermos os responsáveis por todo aquele desperdício. Poderia fazer outra coisa qualquer, mas obriga-nos a pensar que, realmente, a quantidade de lixo é tão imensa que até obras de arte gigante conseguimos de lá retirar. 




Uma das suas frases emblemáticas (que cito a partir do site oficial) é sem dúvida a mais verdadeira e felizarda das expressões: "o lixo de um homem é o tesouro de outro". E sim, nascido, tal como eu, e crescendo, tal como eu também, numa época de sobre-consumo, em que desperdício deixou de ser algo mau ou feio, e imagens de crianças subnutridas já não fazem impressão aos olhos de ninguém, quando todos os valores estão invariavelmente invertidos e acaba-se por confundir várias formas de ser, idealogias, e uso sustentável dos recursos naturais fósseis e ou renováveis do planeta, é importante pensar seriamente no que podemos fazer para que os nossos egos sobrevivam mais uns milhares de anos na Terra. 




Porque meus caros, não pensem que ando ou andamos aqui a atirar com areia aos olhos de ninguém. Eu sou o que sou e faço o que faço consciente de que temos todo o cuidado do mundo para que nada de mal aconteça, para não prejudicar ainda mais o que outros já fizeram o cuidado em estragar. Mas não me digam que as vaquinhas não produzem mais metano do que os automóveis CO2, que a reciclagem não tem os seus benefícios, ou que realmente estamos a sobrepovoar o planeta azul e exactamente por causa disso estamos a entrar num grave declínio na Humanidade. 

É que a Terra irá sem dúvida, qual Fénix, auto restabelecer-se, nós é que temos os dias contados. Basta ver e perceber bem os sinais que ultimamente ela nos tem dado.




E não haja esquecimento que não estamos a tentar salvar o planeta, estamos sim, em mais um acto de puro egoísmo, a tentar salvar-nos. 


Reading Time:

Tuesday, May 29, 2018

Um Estado chamado.... Palestina
May 29, 20180 Comments
Não vou entrar em grandes lenga-lengas sobre o tema. É melindroso. E além disso, a maioria de nós sabe que os países se constroem ou destroem em função de outros se destruírem ou construírem. Mais recente se calhar que Israel, temos toda uma Guerra dos Balcãs que dividiu países, famílias, e matou muito mais e muito além do que deveria. E não deveria sequer ter morrido ninguém. A diferença é que ao final de 20 anos, e embora ainda possa haver ódio étnico, os países resultantes são e estão definidos, não havendo nem atropelos, nem colonatos, nem muros da vergonha, nem armas automáticas contra pedras. E é isso que me revolta. Porque Israel nasceu de uma "oferta" política feita há 70 anos, não foi um território conquistado, mas sim ofertado e que, desde então, tem estado a aumentar indevidamente, com apropriação de solo que, por alguma razão que eu não compreendo, os israelitas acham que lhes pertence. E porque, perante o óbvio, não temos uma comunidade internacional que se imponha - muito possivelmente por medo - os judeus sonhavam com a Palestina, Israel apenas caiu do céu. A Palestina sempre existiu. Os judeus palestinianos sempre viveram pacificamente até 1948 com as tribos ou comunidades muçulmanas e cristãs; irei mais longe, Jerusalém é uma cidade da Palestina. Mais além ainda, eu não reconheço o Estado de Israel da forma como querem impôr um território à força. E no entanto, seria uma das mais bonitas e históricas regiões para eu um dia visitar. Simplesmente porque foi ali que, dizem, tudo ter começado. Crescente fértil, Mesopotâmia. 




Então, pegando nas imagens da Revista Holiday, nº 381, mostro cidades de uma terra que não deveria ter fronteiras, nem muros a separar vidas. Dentro do contexto da moda e do registo fotojornalístico, o conteúdo e resultado são simplesmente brutais. 









Reading Time:

Thursday, May 10, 2018

Ghosting e Orbiting ou como eu realmente passo pelas coisas sem lhes conhecer os nomes...
May 10, 20180 Comments
Este artigo que junto em link é bastante interessante sobre os dois maravilhosos conceitos que infelizmente tive de aprender nos últimos 3 anos. "Ghosting" que eu desconhecia, porque, sabem, sou uma rapariga da velha guarda que acha que "acabar com alguém" implica pelo menos uma conversa básica, e não, como de facto agora parece ser sempre o caso, desaparecer sem deixar grandes rastos (fora as pegadas digitais), deixando simplesmente de responder a mensagens, a telefonemas, ao longo primeiro de dias, depois, semanas, e por fim, meses. Ok, isso seria óbvio a quem, como no meu caso, fica na dúvida do que afinal pudesse ter acontecido. Contudo, a parte perturbadora do segundo conceito que SÓ HOJE aprendi, embora o tivesse vivido na altura do "ghosting", é o "orbiting". Basicamente, a personagem desaparece, mas não totalmente, porque não corta o contacto de forma definitiva e radical, uma vez que não só não se digna a explicar a razão do afastamento, mas, também não bloqueia, não "desamiga" (claro que estamos a considerar as relações modernas que são igualmente alimentadas por interacção via redes sociais, telemóveis (sms), etc), e PIOR... LÊ, VÊ, TUDO, MAS TUDO, o que lhe escrevemos. Porque, lá está, como, o nosso lado, está ou é tão estúpido, ou cego (sim, porque definitivamente não sabemos como lidar com o sentimento e a situação e começamos a achar que o problema é nosso), insistimos no erro, não é? O que leva alguém a fazer isto a outra pessoa eu não sei. Mas sei que psicologicamente afecta tanto quem sofre, mas claramente indica um grave distúrbio de quem o pratica. Não é algo que eu possa considerar normal e é, sem sombra de dúvida, uma espécie de violência durante um relacionamento. Contudo... também há a outra parte que é TÃO ÓBVIA: "There is no shame in prioritizing your mental health, and it’s honestly destructive to be ignorant of how much social media bullshit can affect your mental state. It’s stupid, but it’s reality." Que tal sermos nós, por muito que nos custe, a meter o travão na história? Certamente que não somos os culpados pela infantilidade do outro (ou outra), mas a partir do momento em que nos deixamos consumir por isso (especialmente quando pensamos que se eles lêem os textos mega longos é porque ainda estão interessados - por favor!!!!) estamos nós a ficar infantis, parvos, e outros adjectivos menos próprios. Há sempre forma de controlar a coisa, porque se é uma quase questão de Poder, então nós é que podemos fazer algo: bloqueamos nós, afastamos para sempre esses fantasmas que ainda orbitam as nossas vidas.. e, tal como no filme Poltergeist, também mencionado neste artigo, podemos finalmente respirar fundo e dizer: "This house/head/phone is clean!"



Reading Time:

Sunday, April 29, 2018

April 29, 2018 3 Comments
Mais um fim de semana daqueles que voam. Poderia explicar como foi correndo, de mau a melhor, mas simplesmente não creio que fosse valer de alguma coisa. Relatar detalhes do quotidiano não fazem bem parte do meu esquema de escrita, a não ser em diário pessoal, redigido à mão, como dita a regra. Hoje estive mais na onda de dormir até tarde (já que ontem tive mesmo de despertar cedo), mas gostei muito mais de ter passado a tarde, até há relativamente pouco tempo, a ler artigos científicos, coisa que já não fazia há algum tempo.
Contudo, não deixa de ser altamente perturbador, verificar que já é tarde, que já são horas de fazer jantar, de preparar as tralhas para mais uma semana de trabalho, que, felizmente, no meu caso, será muito mais libertadora e interessante do que já o é habitualmente. Semana de congresso internacional de Geologia do Petróleo, trazendo cientistas e apresentações de trabalhos para nos (me) fazerem pensar. 
Ainda assim, tenho tido tempo para pensar nos artigos sobre as chamadas, por alguns, "futilidades" da vida. Que eu, pessoalmente, até gosto. Cada vez mais até. Porque começo a ver que bons textos podem perfeitamente bem estar associados e ser escritos em contextos que não obrigatoriamente intelectuais, ou melhor, que textos quase intelectuais podem ser relacionados com estilos de moda, estilos musicais, de arte, de cultura nas mais variadas formas. 
Faz-me por isso alguma confusão quando pego em alguns blogues das tais instagrammers (que, sabe-se lá porquê agora dizem que não são nem querem ser influencers) mais conhecidas, e não leio nada. Nada. As publicações são apenas limitadas em fotos. Fotos de roupa, e links às marcas. E a uma frase de introdução. 
Sim, mais uma vez este texto não é o mais brilhante ou politicamente correcto no que diz respeito à minha participação nas redes sociais. Talvez porque, na verdade, eu perceba perfeitamente que a bolha, não tarda nada, explode, e a próxima moda seja outra. A próxima tendência do "ser" algo no mundo, virtual ou não. E que as cabeças que com isto conseguiram algo (e são muitas mais as cabeças de vento, do que as que realmente fazem das suas páginas algo de diferente), depressa poderão ser esquecidas. 
Ainda assim, mesmo assim, eu vou aproveitar a onda. Enquanto houver gente interessada em ler coisas online, vou continuar a escrever - e mesmo que deixe de haver gente interessada, vou continuar a escrever. 
Pelo que hoje, a publicação será mais leve. Mais fotográfica. Mesmo mais "blogger". Porque as próximas serão sobre outras temáticas, giras na mesma, mas não tão apelativas. 

(@Martim Moniz)

E aqui está o resultado. Porque de repente uma tipa pensa, que mal faz tirar fotos diferentes? Sim, eu sei que posso escrever sobre a Síria, sobre a Palestina (oh meus amigos, a sério que querem mesmo isso? Então sigam-me no Facebook, iriam adorar as minhas opiniões políticas e ainda mais incorrectas!), mas posso também divertir-me, porque a minha vida nem sempre é uma maravilha e não faço fotos numa de mostrar uma realidade que nem sequer existe. As minhas imagens são muito reais. Todas elas. Não há nada de forçado. Detesto forçar sorrisos, expressões, posições. 
E sim, ter um companheiro que tanto me segue nas loucuras sobre as rotas das judiarias, do românico, ou dos castelos, como (espero eu), tenha a pachorra para ir até Lisboa ou ao Porto e calcorrear colinas abaixo e acima, ajuda muito. Porque aprendemos imenso, porque, para nós, a piada disto tudo, é o conhecimento que adquirimos, ao mesmo tempo que estupidamente, também tiramos fotos um ao outro, quando estamos mais pipis em termos de vestuário, ou mesmo quando não estamos! 

(Escadinhas de São Cristóvão)

Até porque ele também tem pinta e sabe, melhor que eu, até, como e quando sacar as melhores chapas. 
Então há dias, lembrei-me de vestir uma saia comprida e usar um chapéu de feltro, apanhar o comboio para irmos comer aqueles pequenos-almoços que servem de almoço e muitas vezes de lanche e jantar, qual não é a quantidade de comida que nos é apresentada (e que, no nosso caso, marcha toda): brunch! A piada da coisa é que mal entro no comboio, sendo um sábado, começo a verificar que toda a gente estava demasiado bem vestida... e foi quando comecei a perceber que iria haver um evento qualquer religioso dum culto (não sei qual, palavra), e as pessoas sorriam para mim porque achavam que eu iria igualmente participar. Não ... o meu culto seria outro: primeiro apanhar uma desilusão no TOPO do Martim Moniz, que brunch já não fazem há vários meses, isto dito com maus modos por empregada que certamente gostaria de estar a gozar o dia semanal de outra forma, depois, seguir até ao famoso Nicolau, na Rua de São Nicolau, para, novamente, uma vez mais, perceber que NÃO, aos fins de semana, NÃO SE DEVE IR ATÉ LÁ... porque as filas são insuportáveis. Nos entretantos, percebemos que o conceito de refeição existe em todo o lado, e acabamos por ser servidos por um paquistanês num café/restaurante, praticamente vazio e/ou desconhecido, exactamente ao lado do café/restaurante famoso. O bolo de chocolate estava muito bom. Só naquela... 

(@ Rua dos Fanqueiros)

(@ Petit Gâteau Café na Rua dos Fanqueiros)

No meio da brincadeira, deu para abrir e ler na diagonal, porque parecendo que não, o raio do tempo, voa voa, a revista Flaneur, cuja última edição fala sobre a rua 13 de Maio, no coração do Bairro do Bixiga, em plena cidade de São Paulo (a falar em publicação num futuro breve). A tarde estava assim, parcialmente, feita. Só que não. 


Acabámos por começar a fotografar (em tempo recorde e dentro da área onde nos localizávamos) a cidade. Os prédios. As pessoas. Isto há umas semanas, antes de mais um aniversário do massacre de Lisboa, já falado aqui na Carroça. E tive (tivémos) a certeza que por muito que façamos, por muitas ideias que tivermos, seja qual for o objectivo final das nossas fotografias, das nossas publicações, das nossas "futilidades", existem coisas que não mudam. A vontade de fotografar gentes, vidas, das que ainda vão resistindo, cada vez menos, na cidade capital. Independentemente de brunches, lunches, lanches, a ideia final é realmente aprender mais, saber mais, encontrar novos recantos, becos, caras, momentos. Malta nova que aparece a chorar em escadinhas (como nessa tarde), ou pátios desconhecidos da maioria dos turistas, porque funcionam como comunidades fechadas, dentro de muros e portões, como ocorreu nos santos populares em 2017. 
Hajam rituais que não mudem, e escritas que sejam mesmo mais do que roupa e sapatos, apenas.

Reading Time:

Sunday, April 22, 2018

Comemoração do Dia da Terra 2018
April 22, 20180 Comments
Para quem não sabe, sou geóloga de formação e profissão. Contudo, trabalho na área (agora politicamente incorrecta e ingrata) da pesquisa de petróleo e gás, parecendo contudo que nunca usámos até hoje, derivados indirectos dos combustíveis fósseis, nem tão pouco necessitamos ainda deles no nosso dia a dia. Caros e caras, a nossa pegada na terra não se prende apenas e só no recurso a estes produtos que demoram milhões de anos a serem gerados, mas sim com os nossos comportamentos diários. Esses sim, poderão eventualmente fazer toda a diferença. Mas posto este desabafo de parte, até porque nunca entrei aqui em detalhes desta natureza, nem pretendo fazer qualquer manifesto político ou de opinião sobre o assunto - aprendi a estar literalmente calada -, deixo a minha contribuição para o #EarthDay2018 e #ImAGeoscientist. Enjoy!



Datadas de 2014, estas fotografias foram registadas junto à Pedreira de Ana Ferreira, no Porto Santo. Trata-se de uma estrutura geológica particular denominada disjunção prismática e resulta da forma como as rochas (na sua generalidade) basálticas arrefecem à medida que o magma ou lava vai solidificando. A forma das colunas, em hexágono, deve-se ao facto de ser esta uma das formas de polígono mais estáveis na natureza, e também aquela onde não ocorrem espaços que não possam ser ocupados. Na Natureza, nada se perde....
Reading Time:

Saturday, April 21, 2018

April 21, 20180 Comments
Será realmente importante começar a haver mais debates públicos sobre o tema de recolha de dados dos utilizadores da Internet e das redes sociais em Portugal. O Nónio será mais uma ferramenta que irá possibilitar a uma serie de empresas obterem informação CONSENTIDA, já que será necessário fazer login para aceder aos conteúdos dessas páginas, na sua maioria orgãos de comunicação social (logo por acaso e logo por azar). O objetivo? Segundo o director comercial do Público, Mário Jorge Maia: "O Nónio é uma plataforma de recolha, tratamento e qualificação das audiências”, descreve Luís Nazaré, referindo que esses dados ficarão registados num acervo disponível a todos os membros da PMP (Plataforma de Media Privados, grupo COFINA), o que lhes permitirá “qualificar a informação e valorizar as audiências”, nomeadamente através da segmentação de perfis. Assim, o inventário publicitário passa a ser mais valioso." Portanto, basicamente, a ideia é sermos bombardeados apenas e só com publicidade que seja ou esteja de acordo com as nossas preferências pessoais, medidas e analisadas por algoritmos nacionais, tal como acontece noutros países. Resta saber se esta informação que é recolhida não poderá igualmente servir para fins de políticos, religiosos, agências de segurança. Não esquecer que ao fazermos login, algo que será obrigatório, estamos a aceitar que acedam aos nossos dados também. "Este projecto recebeu 900 mil euros de financiamento do Google, no âmbito do fundo de inovação “Digital News Initiative”, que já apoiou outros projectos do PÚBLICO. O mecanismo financiado está assente em dois pilares essenciais: o SSO (Single Sign-On, um dispositivo integrado de registo único) e o DMP (Data Management Platform, um suporte lógico de qualificação e tratamento de audiências)." Therefore, Google is watching you...
Reading Time:

Wednesday, April 18, 2018

April 18, 20180 Comments

À medida que pensava escrever estas palavras, descia a Avenida a caminho do Rossio e parei para tirar fotos aos locais de sempre. Vendo a praça cheia de imigrantes, e o Largo de São Domingos com as suas africanas de vestes coloridas e africanos certamente muçulmanos, custa-me pensar que na idade média, a intolerância religiosa imperasse sobre o mesmo local. Quando olhos para as centenas de turistas que todos os dias aterram ou desembarcam em Lisboa, nos grupos "follow me", interrogo-me se saberão eles qual a nossa História e qual a História da cidade. Contarão os guias que na semana santa de 1506, entres os dias 19 e 24 de Abril, milhares de pessoas foram perseguidas, torturadas e mortas em fogueiras a céu aberto? E depois pergunto-me a mim mesma: quantos portugueses também saberão deste evento? Possivelmente poucos e possivelmente desses poucos, quase nenhuns pensarão igualmente nisso. A vida é tão mais, não é? Contudo, num período em que se volta a observar e a sentir o preconceito, o racismo e o medo face a outras religiões, e perante a data de hoje, será interessante voltar a contar a história da História. Para não esquecer que não foram apenas as fogueiras das Guerras contemporâneas que arderam e queimaram, que os pogroms (ataques violento maciço a pessoas, com a destruição simultânea do seu ambiente (casas, negócios, centros religiosos)), sempre existiram ao longo dos séculos, que a intolerância não é uma coisa recente (último século e meio).




Pelo menos dois ataques violentos foram registados em Lisboa contra a minoria judia durante a idade média. O primeiro, em Dezembro de 1449, tratou-se de um assalto à Judiaria Grande de Lisboa (localizada na zona que hoje corresponde à Igreja da Madalena e Igreja de S. Nicolau, abrangendo as ruas perpendiculares, atuais Fanqueiros e Bacalhoeiros), como resultado de confrontos entre um grupo de jovens cristãos-velhos quando estes terão ofendido um outro grupo de (ainda) judeus junto à zona da Ribeira. Apesar da queixa, os culpados foram apenas açoitados publicamente, o que ainda assim enfureceu a horda cristã ao ponto de clamarem por justiça imediata e vingança. A Judiaria Grande foi assim assaltada, tendo sido mortos vários judeus. As casas foram vandalizadas e saqueadas. D. Afonso V que estava em Évora veio de imediato para Lisboa de forma a colocar um ponto final aos tumultos.




O segundo registo histórico a um ataque a cristãos-novos, já em reinado de D. Manuel I, vem pela pena de Garcia de Resende contemporâneo do acontecimento, associado presumivelmente à história do suposto milagre ocorrido durante uma missa na Igreja de São Domingos, durante a semana santa de 1506. Em ano de seca, com temperaturas mais elevadas do que era suposto para aqueles meses, e em plena época de peste, que se alastrava por uma Europa (e Portugal) imunda de gente e com falhas graves de higiene, eram várias as missas e eventos suportados pelas famílias abastadas e pela corte, de forma a pedir "auxílio divino". Numa Lisboa fervorosamente católica, com imensas igrejas e capelas por cada esquina pré-terramoto, não é difícil imaginar a imensidão de pessoas que se aglomeravam nos pequenos edifícios. De tal ordem foi este ataque que ficou igualmente registado em relatos anónimos alemães: "Haveria uma cruz com um espelho no meio, então surge a imagem de Maria a chorar ajoelhada em frente a Jesus e por cima da cruz, surgiram luzes pequeninas e uma grande..." Damião de Góis, em relato muito mais tardio refere que se tratou apenas de um possível reflexo de uma vela. Contudo, qualquer autor menciona o questionar de um cristão-novo sobre o porquê: ".. que o dito céu não realizava o milagre da água, mais do que o fogo?" aludindo à rigorosa seca que se atravessava. 
O cristão-novo é de imediato arrastado até à rua, ao largo, e morto. As horas e dias que se seguiram são de uma autêntica orgia de terror e de morte (porterrassefarad.blogspot.com). Entre 19 e 24 de Abril de 1506, perto de 4000 pessoas (cristãos-novos, cristão-velhos, mulheres, idosos, crianças de berço) foram mortas nas ruas de Lisboa, incitadas pela própria igreja e ordens religiosas. O Rei D. Manuel, que se encontrava, uma vez mais ausente da capital, envia a partir de Avis, o regedor de justiça Aires da Silva e o governador da Casa Civil de Lisboa (D. Afonso Castro) de forma a controlarem a população. Contudo ambos ficaram retidos nas muralhas das portas da cidade até "pagarem" entrada. Não foi a corte real quem conseguiu acalmar a população. Mas sim quando passados três dias, finalmente, houve "cansaço e entorpecimento" dos que mataram, violaram e pilharam centenas de almas e habitações.



Pessoalmente, de todos os livros que li até agora sobre o acontecido, tenho dois que aconselho a quem possa querer saber mais do que se passou:
Sem dúvida o romance de Richard Zimler "Último Cabalista de Lisboa" cuja acção decorre exactamente durante a semana santa de 1506, mencionando locais nossos conhecidos ainda, personagens históricas, e "O Massacre dos Judeus" de Susana Bastos Mateus e Paulo Mendes Pinto.


Reading Time:
Mentiras sempre as houve. Agora existem apenas mais.
April 18, 2018 4 Comments

Do Prólogo do livro EVERYBODY LIES de Seth Stephens-Davidowitz:
"Big Data from internet searches and other online responses are not a cerebroscope, but Seth Stephens-Davidowitz shows that they offer an unprecendented peek into people's psyches. At the privacy of their keyboards, people confess the strangest things, sometimes (as in dating sites or searches for professional advice) because they have real-life consequences, at other times precisely because they don't have consequences: people can unburden themselves of some wish or fear without a real person reaction in dismay or worse. Either way, the people are not just pressing a button or turning a knob, but keying in any of trillions os sequences of characters to spell out their thoughts in all their explosive, combinatorial vastness. Better still, they ley down these digital traces in a form that is easy to aggregate and analyse. They come from all walks in life. Theu can take part in unobtrusive expermients which vary the stimuli and tabulate the responses in real time." (Steven Pinker, 2017)
Reading Time:
Capas bonitas de revistas portuguesas
April 18, 20180 Comments
A última da GQ Portugal é simplesmente linda. A edição com a Joana Ribeiro, cujo tema principal pende com a questão de gestão dos recursos hídricos, apresenta duas capas, para coleccionador. A não perder.
Reading Time:

Sunday, April 15, 2018

Esses bichos que são as redes sociais e dados pessoais
April 15, 2018 3 Comments
Sobre o caso do Facebook e sobre as questões colocadas pelo senado norte-americano ao fundador da rede social mais utilizada no mundo, deixo aqui as minhas pequenas considerações, que não são mais do que uma opinião pessoal, feita por alguém que não percebe nada de informática, mas crê perceber como funciona o mundo da internet, para que servem os anúncios e a publicidade, e compreende que ao aceitar instalar aplicações e ao fazer logins e registos em algumas páginas, está realmente a conceder a visualização dos seus (meus) dados a inúmeras empresas que funcionam com recolha estatística. 
Primeiro que tudo... com este escândalo veio logo a clara noção de que as pessoas, na sua maioria, portanto, utilizadores regulares da Internet e das redes sociais, não sabem de todo como estas operam e funcionam. Não coloco em questão a eloquência com que as questões são colocadas, nem tão pouco farei juízos de valor sobre a capacidade de cada um dos senadores no que concerne à validade ou sentido crítico das suas próprias perguntas - as pessoas realmente não são obrigadas a perceber de informática. Mas o mínimo deveríamos todos saber. Toda e qualquer rede social, na qual exista uma página (público ou privada) sobre o utilizador, pede e ganha dados básicos sobre o mesmo. Nome, localidade, (endereço de IP), alguma informação considerada "normal" sobre alguns gostos e preferências são assim recolhidos e armazenados numa mega base de dados. Até aqui tudo seria supostamente aceitável. Ao longo de 10 anos, o Facebook, contudo, deixou de ser apenas uma rede social para amigos e familiares, e a sua mega base de dados de milhares de milhões de utilizadores, começou a servir para outros fins. Aceitaram (e aceitamos) aplicações, as quais, de forma muito evidente, nos perguntam se deixamos que acedam à nossa informação pessoal, lista de amigos, lista de comentários, publicações e fotos. Nós dizemos sim, logo nós, utilizadores, estamos a aceitar de forma inequívoca essa invasão de privacidade. Não podemos então, posteriormente, dizer que "não sabíamos de nada". Ponto 2. Acho importante mencionar que o Facebook, tal como o Instagram (mesma empresa) precisam, obviamente de dinheiro. Se os utilizadores não pagam o acesso e utilização destas redes, alguém tem de o fazer. E aí entram os anúncios e publicidade e páginas oficiais de marcas, etc.. Porque é que isto é possível? Porque os sistemas estão interconectados entre si, ou seja, uma pesquisa feita num browser (Opera, Chrome - e a maioria dos smartphones opera com o Google- Windows, Safari...), irá ser partilhada com as redes que usamos, e por isso não será estranho procurar por um artigo específico numa data e esse mesmo artigo começar a aparecer de forma insistente em todo e qualquer lado, nas páginas onde estamos. Porque é que o Facebook aceita ou ganha com isto? Porque, ao aceitarmos a tal invasão de privacidade anteriormente mencionada, permitimos que os algoritmos (dados estatísticos que podem ser usados de variadas maneiras para perceber como é que o utilizador se comporta online - e, por consequência, na vida real - auxiliando à venda e apresentação de conteúdos que parecem ter sido feitos especialmente para aquele único consumidor), acedam então à nossa informação. Os nossos pontos de vista políticos, religiosos, morais, éticos, as nossas taras, as nossas manias, as nossas orientações sexuais, tudo, é assim utilizado em prol de multinacionais e empresas que funcionam com apenas e só dados estatísticos, para seu próprio ganho. O que se passou com Trump foi um caso óbvio de usurpação dos dados pessoais de usuários norte-americanos em prol da campanha eleitoral. Se o Facebook saberia ou não, tenho as minhas dúvidas. Com certeza que de todos os empregados, informáticos, gestores de conteúdos, matemáticos e estatísticos, alguém deveria certamente ter conhecimento da fuga (autorizada, atenção!) de informação. Mas mais uma vez, quando digo autorizada, não é apenas pelos CEO's da empresa, mas acima de tudo, lá está, por nós. Nós é que temos a obrigação de saber que tudo está a ser "vigiado", que existem determinadas palavras que são imediatamente filtradas por serviços secretos de alguns países, sabemos também muito bem, que, cada vez mais, patrões e empresas de recrutamento, pesquisam informação sobre os candidatos online. Quando um senador pergunta se as informações e recolha de dados poderão então ser enviesados pelos colaboradores do Facebook, mediante as suas próprias escolhas e orientações, a verdade é que se esquece que nenhuma (ou praticamente nenhuma) empresa o faz também "fora da rede". Não nos perguntam numa entrevista se fumamos, qual o nosso partido, qual a nossa orientação sexual, se somos vegetarianos. Quem usa os nossos dados, garantidamente também não o faz por lhe dar mais jeito. Simplesmente em termos estatísticos, faremos parte dum grupo maior de pessoas que respondem e correspondem a determinado parâmetro. Que pode ou não ser vendido. E premissa contudo, é esta. Desde que a Internet foi criada apenas para partilha, na altura, de informação científica: "what goes online stays online forever". E mais uma vez a citação de Daniel Oliveira: "Este é o pior pesadelo de George Orwell".

Contudo, o que me parece ser mesmo muito mais pertinente ainda é: Será que a intervenção de todo e qualquer algoritmo, com a justificação de "ser uma forma de dar ao consumidor ou utilizador os conteúdos que melhor se adaptam ao seu perfil e aos seus gostos" não irá resultar em enviesamento total da nossa personalidade? Se aceitarmos, sem filtrar, que aquilo que nos aparece à frente é realmente o mais indicado para nós, não iremos perder capacidade de crítica, de pensarmos por nós mesmos? Existe toda uma questão de ética, mais até do que invasão de privacidade, associada às plataformas digitais e acesso de dados. Essa sim é a principal questão. Andámos tão preocupados em proteger a nossa segurança online que nunca nos passou pela cabeça saber como é que os nossos dados eram ou não guardados e usados pelas redes.



Reading Time:

Monday, April 09, 2018

Influencer ou being Influenced?
April 09, 2018 6 Comments

É cada vez mais impensável hoje não vermos um mundo feito por e com base em redes sociais. A velocidade vertiginosa com que nos é bombardeada informação é cada vez mais rápida, e, sendo que nem sempre temos tempo para ler ao certo o que nos aparece pela frente, torna-se igualmente mais difícil fazer a filtragem necessária em separar o que é realmente útil do que é completamente irrelevante. Mais ainda, não nos bastava termos a vida exposta, sem querer ao início, agora porque quase se torna "obrigatório" mostrar o que vestimos, comemos, fazemos, lemos, e ainda termos de aprender os novos conceitos de blogger, youtuber, instagrammer, influencer
Quanto ao primeiro, há já mais duma década que existe. Uns duma forma mais ou menos publicitada, outros mais restritos ao espaço doméstico de familiares e amigos que liam alguns textos redigidos à laia de artigos de opinião, diários de vida, entre outros. Já os três últimos são claramente resultantes do efeito bola de neve que as redes sociais vieram trazer às nossas vidas. Um amigo faz um vídeo mais ou menos palerma, outra amiga mostra como se maquilha para diferentes ocasiões, outros tantos acabam por fazer vídeos de coaching (eu também não tenho bem a certeza do que é, mas acho que se trata de ensinar as pessoas a viver a vida de uma forma mais positiva e sustentável?) e lifestyle (estilo de vida mais optimista, geralmente sustentável, mas acima de tudo, que esteja na moda), que, agora sim, se aliam aos blogues e às páginas de Instagram que, outrora serviam como plataforma para os pioneiros do iPhone apresentarem bons trabalhos fotográficos. Não digo que com o boom dos/ das influencers isso não aconteça. Aliás, todo o conceito de influenciar alguém parte exactamente do pressuposto que as ideias, fotografias, estilo de vida, estão bem apresentados, sendo extremamente apelativos visualmente. E é aí que, para mim, o rótulo poderá mudar completamente. O que é realmente ser-se influencer? Contra mim falo. Tenho este canto há mais de 10 anos, tenho conta no IG há uns 4, e, "just for fun", iniciei com  o meu namorado, um segundo espaço, onde a ideia seria publicar fotos minhas (onde eu apareço), dele (onde ele aparece), dos locais onde vamos, do que fazemos, eventualmente do que eu visto, sabendo logo a priori que eu NÃO SOU NEM TENHO QUALQUER INTENÇÃO DE SER OU ESTAR A INFLUENCIAR ninguém. Simplesmente é mesmo pela piada. Porque além de ser (para mim/nós) apenas um hobby, claramente que nos dá algum prazer em conhecermos mais do nosso país - além do que já conhecíamos -, doutros países, espaços interessantes que podem ou não estar na moda, e com isso, poder também chamar a atenção de quem vê, ao que realmente interessa, fazendo e apresentando com isso o nosso ideal de fotografia (ambos temos páginas autónomas também, cada um com o seu registo fotográfico completamente distinto). Se por acaso eu colocar alguma fotografia online com um livro, revista, artigo, não é apenas para ficar bem esteticamente com a caneca de Mokambo, ou com as flores de plástico e computador do tempo do antigamente: é para que realmente o mesmo seja lido e se torne conhecido. Exemplo acima: na última edição da revista Vogue Portugal (que raramente ou quase nunca comprei porque nunca achei interessante os artigos), surgem apenas e só uns 4 textos (dos que vi entretanto) em que se fala, concretamente, no conceito de, tcharan, influencer. Mais uma vez, mas o que é isto? Não há muitos anos atrás, o influencer seria quem nos inspirava, a pessoa que tivesse deixado uma marca ou legado tão impactantes no mundo, que fossem dignos de terem igual impacto ou serem mais sugestivos nas nossas próprias vidas, fossem eles músicos, personalidades públicas, políticos, actores. Hoje em dia, e não querendo ofender absolutamente ninguém, será que poderemos considerar uma rapariga under-30 como influencer? E influenciadora de quê? Moda? Lifestyle? Experiências de vida? Como é que de repente o mundo virtual ficou pontilhado de estrelas em rápida ascensão cujo objectivo de vida é aparecerem em vários locais que estão na moda, partilharem 500 imagens de modelitos (que mais outras 500 irão comprar/copiar) catitas, e fazerem unboxings (isto é, abrirem os artigos que as marcas lhes começam a enviar apenas por uma questão de publicidade). O pior é saber que isto não lhes paga um ordenado, e até começaram a ganhar realmente alguma base financeira com a "brincadeira", é bem possível que gastem muito mais. 
No artigo acima da revista Vogue, a entrevistada foi uma das primeiras jovens a aparecer nos últimos 5 anos, com um blog e conta de IG. Foi uma das primeiras a ser apelidada de influencer, (um pouco como a Olivia Palermo, que também não sei o que faz na vida sem ser aparecer, simplesmente) faz parte da geração millenial (tal como eu, nascida em meados dos anos 80 e início dos 90, que, segundo consta, não tem tempo para nada, não se quer agarrar a nada, não tem paciência para nada, é tudo muito "depeche mode", e como tal, começam a vida muito mais tarde do que a geração acima de nós - que não dos nossos pais, mas possivelmente os nossos primos nascidos na década de 70, início de 80), e é a primeira a dizer que o conceito está um bocado overrated (ultrapassado), na medida que só serve mesmo para publicitar algo, ou, eventualmente, para te conseguir uma carreira a solo no mundo empresarial da moda, design, ou outros. Há quem tenha sorte, e há aquelas que já começam a sofrer a pressão dos mercados, abrido páginas de venda online de roupa para anunciarem a bancarrota poucos meses depois. Jovens esses e essas que gastaram fortunas a pensar que iria ter futuro, quando o futuro hoje já nem nos é garantido com o suposto "emprego estável" quanto mais com fogo fátuo que para muitas pessoas não passam de fait-divers, perdas de tempo. Volto a dizer que há casos e casos, há vontades e vontades, há hobbies. No meu caso especificamente é um hobby. Não tenho qualquer problema em assumir que gosto de me vestir bem, de me maquilhar, que tenho as minhas marcas preferidas. Contudo, e aí está o outro lado da moeda... até que ponto é que me posso deixar influenciar até deixar de ter a minha própria personalidade ou gosto pessoal? Será que ao copiarmos as peças de roupa que vemos, estamos a confluir para a perda de identidade pessoal (ou quase colectiva), ou simplesmente funciona da mesma forma como quando compramos uma revista de estilo? Outro dos artigos apresentados na edição, era referente à forma como o Pinterest tinha mudado o paradigma de design e decoração dos espaços - fossem casas particulares ou outros. E a verdade é que antigamente  quando se adquiriam produtos para uma casa (moveis, panos da loiça, talheres, camas, estantes, loiças, acessórios vários), era suposto serem para a vida. O enxoval. Aquela coisa muito antiga que as nossas avós e tias falavam. Hoje é tudo descartável. Ao ser mais barato, pode-se trocar mais facilmente, mas ao mesmo tempo, o ser mais barato implica que muitas vezes a qualidade seja bastante inferior, obrigando o consumidor em prazos cada vez mais curtos de tempo a trocar toda uma decoração que se pretenderia durar bem mais do que o previsto. Até que ponto somos influenciados em fazer essas mudanças? Será que o mundo está a ficar de tal ordem saturado de si mesmo que tenha perdido a noção de identidade, de gosto? Até que ponto podemos influenciar ou ser influenciados por outras pessoas? Mais ainda, até que ponto é que nós, todos, temos esse direito? 
Reading Time:

Wednesday, April 04, 2018

Sobre o "Melhor do Mundo"

Thursday, March 08, 2018

March 08, 20180 Comments
Para mim, o dia de 8 de Março é uma faca de dois gumes, um presente envenenado, envolto numa cobertura deliciosa de apreço e respeito pela Mulher, mas que quando se trinca, sabe logo a fel, tal é a hipocrisia com que é feito. 
O problema do 8 de Março não é ser o Dia Internacional da Mulher. O problema é que ao ser um dia para falar de um género, acaba-se por cometer muitos excessos de preferência, de críticas, de análises sociológico-políticas sobre o estatuto, sobre os direitos, sobre aquilo que uma Mulher é ou deixa de ser, só porque outros e outras assim o decidem.
O dia deveria servir para recordar aquelas, bravas, que fizeram frente às comunidades onde estavam inseridas e, dentro das quais morreram ou foram mortas. O dia deveria servir para comemorar essa bravura, essa Vida, que permitiu que outras, agora, tenham a hipótese de ter uma Voz. O problema é a forma como essa Voz é colocada e a mensagem que é transmitida. 
É imperioso perceber que em quase 20 anos de existência de internet de acesso livre no nosso país, e praticamente no mundo inteiro, existe todo um mundo de possibilidades em partilhar informação, em dar a cara às declarações, em realizar acções de protesto ou chamar a atenção a determinados temas e assuntos. Não posso contudo esquecer que para uma mulher casada votar foi preciso vir o 25 de Abril e para uma mulher poder ou não escolher se quer ter um filho ou não, temos de regressar somente uma meia dúzia de anos atrás, quando finalmente foi realizado um referendo em que estavas em causa "fetos" ou "amontoados de células", numa grande algazarra que mostrou em pleno que afinal as Feministas da altura não o eram tanto assim (não pelas suas ideias - eu sou feminista, mas não encaro o aborto como a resolução de um "ups" - mas sim pela forma como argumentaram com as outras que eram claramente contra o aborto, numa onda de "insultos religiosos" como se só isso fosse explicação para tudo). Mas não é isso que me irrita nesta hipocrisia. Irrita-me simplesmente o facto de haver mulheres que tentam atirar areia para os olhos achando que por fazermos barulho de fundo as coisas estão a mudar - não estão, de todo, caríssimos. Queremos de facto acreditar que os números das estatísticas estão em baixo, mas na verdade não estão e há fases em que até sobem mais. 
O que me irrita no dia 8 de Março é que invés de estarmos constantemente a falar do mesmo, daquilo que agora está na moda, de todos os hashtags possíveis e imaginários, do assédio sexual, deveríamos estar TODOS OS DIAS a educar Homens e Mulheres (principalmente também Mulheres) para serem feministas. É que o feminismo deveria ser de todos - de toda a Humanidade. O feminismo não é mais do que uma declaração de direitos humanos que o género DEVERIA ter. Uma questão tão simples como não sermos descriminadas no que toca a salários, por exemplo, ou posições hierárquicas. Podem até me vir contra que para posições de chefia são poucas as mulheres sequer a concorrer em termos de concursos internos nas empresas - sem dúvida. Mas também é certo que a maioria das empresas não quer uma mulher como directora ou CEO de nada com risco desta decidir ter filhos e passar "temporadas" fora, coisa que com um homem, certamente não acontece. Ou se acontece é numa dosagem muito menor. Tal como acho simplesmente ridículo alguns textos partilhados por plataformas como as Capazes, que se limitam a humilhar constantemente os homens, tentando com isso fazer uma vitimização generalizada do papel da mulher na sociedade e em casa (exemplo: a chatice que é termos de explicar 50 vezes como é que se coloca o programa e detergente na máquina de lavar roupa, como se por acaso, hoje em dia, muitas raparigas o soubessem fazer sequer. Eu sou o exemplo vivo de aos 34 anos, um forno para mim ser um bicho de outro mundo. Engomar roupa? Não sei o que é.), e com isso acabando por ridicularizar as mulheres também, porque se nós fazemos as coisas em casa e já não temos paciência, então é um deixa andar, uma rotina, uma tradição e, um dia, claro, eles sabem que não têm mesmo que se chatear com nada - coisa que, a meu ver, passa bem por uma educação que deve vir de berço, para menino como para menina. 
Falando de empregos, é como aquela questão que sempre coloquei, talvez nos últimos 5 anos, um pouco menos: porque é que vejo sempre as mulheres a saírem dos trabalhos mais cedo do que os homens em constante lufa lufa. E porque é que os homens chegam sempre ou quase mais tarde do trabalho? Se a maioria dos horários é igual, alguma coisa não está bem. Pergunto-me se não será pela máxima de, tal como a questão de uma mulher num lugar de topo não conseguir ser boa profissional como chefe de família, o homem, por ser homem, poder ficar até mais tarde porque tem "menos responsabilidades" em casa (ou no horário pós-laboral). Claro que isto não é regra. Em alguns casos que conheço quem sai primeiro vai buscar crianças (se as houver) à escola, trata de trabalhos de casa, banhos e jantares, seja ele ou ela. Mas se formos fazer uma estatística, que está tão em voga, vemos claramente que os números não enganam. Eles fazem menos. E nós fazemos sempre mais. Tudo mais. E não ganhamos mais por isso. Bem pelo contrário. A mesma premissa aplica-se à violência de género. Claro que nós, mulheres, quando damos uma de doidas, temos atitudes piores que eles, mas o certo é que por muita igualdade que queiramos, não poderemos nunca comparar a força física de um homem para uma mulher, logo, a balança inverte-se, e 90% dos casos são de violência de homens contra mulheres. Não é estar a dizer que são menos importantes, ou que não sejam vítimas, claro que também o são. Mas o importante seria educar para que não houvesse estatística nem balança sequer. Violência não! Ponto final! Abuso sexual não! Ponto final! Piropos, flirt? Não vamos começar a exagerar! E aqui há um grande exagero das novas feministas - como se flirt, sedução fossem minimamente comparáveis a assédio. E conseguimos perceber bem a diferença. 
Portanto, eu, como se pode constatar, tenho uma relação de amor-ódio a este dia. Mas não me bastava apenas dizer que o acho obsoleto. É que na verdade ele não é. Mas gostaria que num futuro, começasse apenas a ser celebrado pela memória e evocação às Mulheres primeiras que lutaram para e por desbravar num mundo de homens. Desde a Sara dos tempos bíblicos, até a todas e todos que hoje em dias não têm nem tabus, nem, para vencerem na vida, rebaixam e humilhem os seus e suas pares. 
(Anjo de Paula Rêgo, roubado à Anabela Mota Ribeiro)
Reading Time: