Posts

Showing posts from July, 2016

E como estou a fazer 10 anos e porque também mereço coisas bonitas...

Image
Aqui deixo fotos tiradas pela minha própria pessoa.
Porque eu sou uma rapariga fixe!
#10anosdeblogue #éspoucoconvencidaés


(Castelo de Vide)

(Castelo de Vide)

(Serra de São Paulo - Castelo de Vide)

(Bairro da Bica - Lisboa)

(República dos Kágados  - Coimbra)


(Sé Velha - Coimbra)

(Real República Prá-Kys-Tão - Coimbra)

(Noite de Santo António - Praça da Alegria - Lisboa)

10 anos de A Carroça da Clau

#10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue #10anosdeblogue


Pronto. Era apenas isto. 

Outra vez...? Sim, outra vez, porque o blog é meu e escrevo o que quiser.

Teoria do Caos.
Ponto primeiro: O problema do terrorismo na Europa tem, obviamente, como pilar base, algo que nos chega a partir do médio Oriente. 
Ponto segundo: Os terroristas da Europa são (na sua grande maioria) europeus. Não são do médio Oriente. 
Ponto terceiro: Então que raio se passa? (Porque existe toda uma população europeia que não quer - não quer mesmo! - compreender como é que chegámos a este ponto). 
Faço esta analogia constantemente. Olhemos para a população emigrante portuguesa e olhemos para os seus descendentes luso-qualquer nação. Verificamos, de uma forma bastante rude e preconceituosa, sem dúvida, que estas comunidades estão e são bem demarcadas da sociedade onde estão inseridas. Ou seja, mesmo que estejam todos legais, mesmo que paguem os impostos, que frequentem as mesmas escolas, trabalhem nas mesmas empresas, etc., somos uma comunidade fechada sobre si mesma, com as suas paranóias, preconceitos e formas de estar. Com jovens que não querem estudar, que se vestem to…

#jesuis....jenesaisquoi

#jesuis #prayfor
#fuckyouall
Tempos loucos estes de manifestações pacíficas. Tal como mencionei num post anterior, todos podemos agora contribuir para um mundo mais justo e pacífico através das redes sociais (ah, afinal apenas podemos espalhar algum veneno moralista e cuspir postas de pescada - 'ca nojo!). 
Ele é hashtag (eu conhecia o símbolo por cardinal: # ) por isto e por aquilo, até pelo que se não deve.  Pessoalmente apenas costumava usar no Instagram (esse novo Tinder - outro tópico #jálávamos), mas agora, basta rebentar uma bomba no centro comercial e lá seguimos nós: #prayforthosewhohadtosmellit -bomba de mau cheiro ok? Embora também resulte em #prayforthosewhowereintheelevatorwhenthefatguyfarted .
Fora de ironias, a verdade é que, uma vez mais, não é com frases feitas partilhadas à exaustão através do Twitter que iremos controlar os radicais, cada vez mais radicais, e cada vez mais europeus, e as suas acções. Não é com frases feitas que iremos impedir (bom, neste caso os estad…

Já me ia esquecendo...

Ganhámos o Europeu.

Em praticamente todas as modalidades.
Só nos falta a modalidade terrorista. Not there yet. Não há franceses suficientes. 

Turquia, esse belo país democrático.

Gosto da Turquia. Nunca lá fui, diga-se, mas gosto.  Parece ser uma coisa bonita ali, plantava junto ao Bósforo, Mediterrâneo, Egeu, Negro, a porta do Oriente, um local onde durante centenas de anos, várias raças e religiões conviveram em paz. Um país para onde (na altura ainda Império Bizantino) se concentravam as diásporas de vários outros povos em fuga. 
Gosto agora ainda mais da Turquia. Um país que faz fronteira com o Irão, a Síria, o Iraque e, ainda assim, consegue ter tantos atentados como a França. Um país onde os direitos humanos são assegurados todos os dias, onde a liberdade de expressão é marcante, onde o voto é livre. 
A verdade é que Erdogan é um verdadeiro homem político. De verdade que foi eleito em eleições livres e democráticas, em que o povo o elegeu como seu representante, povo esse que há dias, quando em menos de 4 horas foram mortas cerca de 300 pessoas só porque, enfim, eram contra o Estado, foi para a rua aplaudir o contra-golpe. Sim, é dessa gente, que apoia fort…

Mas como I don't give a fuck...

Diz que fui ao Super Bock Super Rock. Diz que eu não gosto de cerveja - detesto mesmo cerveja, qualquer que ela seja.  Diz que fui ao SBSR no primeiro dia. Queria ver uma lista impossível de concretizar devido às sobreposições de artistas - ainda assim é melhor ver por 50 euros 3 grandes concertos, do que pagar 50 euros, muitas vezes para ver apenas 1 e não raramente também, ser-se embarretado (porque o artista estava com maus fígados, porque o som estava uma merda, porque o público estava a jogar Pokemon Go durante o espectáculo .... já chegaremos a este tópico).
Diz que gostei muito de Temper Trap (embora estivesse sempre a confundir o nome com os Tame Impala). Diz que não percebo a panca associada aos The National (definitivamente não é o meu tipo de som, nem a minha onda). Diz que gosto mesmo de dançar e Disclosure portaram-se muito bem.
Não posso comentar mais nada, porque não vi mais nada. Ah, talvez Lucius tenha sido fixe - elas cantam muito bem, mas o som estava demasiado alto para …

Dias sem fim

Houve uma época em que eu escrevia bem. Tinha jeito para o sarcasmo e ironia, com os quais pautava as opiniões muitas vezes radicais sobre inúmeros assuntos e, não contente, ainda expunha muito do que me é privado. Acontece porém que vamos aprendendo com o passar da idade (há quem lhe chame erros, eu apenas chamo experiência). 
A verdade é que a paciência vai escorrendo muito rapidamente, tanto quanto o Tempo, à medida que vemos os dias ficarem maiores e mais quentes, para logo começarem a ficar mais curtos.  E eu perdi a paciência para muita coisa. É que sabem, antes do fenómeno Facebook, eu já tinha blogue, e já escorria sobre os mais variados temas da (minha) vida. Quem gostava e não gostava, lia, podia comentar ou remeter-se ao silêncio e discussões argumentativas e filosóficas eram remetidas para as duas ou três conversas mantidas através de sms, quanto muito messenger ainda do Hotmail.
Hoje, são às centenas as opiniões que ecoam pelas redes sociais, treinadores de sofá, politólogos …