Thursday, October 25, 2012

Dia de temporal...

E agora colocava aqui uma foto das nuvens negras do horizonte lisboeta ou de um mar supostamente revolto. Não... simplesmente isto: hoje, dia 25 de Outubro, a minha melhor amiga (de entre as melhores amigas que tenho) irá realizar um almoço-festa-convívio, quase parecido com a Festa do Avante, mas sem qualquer conotação política, porque, daqui a 1 semana, mais coisa, menos coisa, vai-se embora. Vai-se embora para outro país. Vai-se embora para outro país, trabalhar. Vai-se embora para outro país trabalhar porque aqui ela já não pode continuar. Vai-se embora para outro país trabalhar porque aqui já não pode continuar a ser bolseira de investigação. Porque o Governo cortou com essas despesas menores, porque quer fundir instituições de ensino, como se fosse uma coisa básica e simples, como se isso não fosse, de alguma forma, eliminar toda uma história académica. Terão noção de que a geração a seguir à minha, a geração dos nossos filhos irão apenas imaginar (e mal) que antigamente em Lisboa existia a Universidade Clássica e a Universidade Técnica? Que eram dois monstros de ensino com ritmos e objetivos diferentes? Mas o que hoje aqui me traz é realmente o fato dela se ir embora. O fato de, durante um vasto período de tempo, poderei não voltar a vê-la, que deixarei de contar com a sua presença, muitas vezes silenciosa enquanto eu disparatava a torto e a direito sobre os mais variados tópicos. Acima de tudo tópicos não-essenciais mas que nos faziam rir.. ou não. Ela vai-se embora porque encontrou um lugar onde pode fazer aquilo que gosta, contribuindo para uma atividade bastante interessante, e ganhando um ordenado com isso, passando a ter os mesmos direitos e deveres que todos os outros cidadãos, sem ser por isso apelidada de "encargo extra ao Estado". Bem pode chover hoje a potes e trovejar o que quiserem, porque esses são os gritos de raiva de quem tem de ir para fora procurar um futuro. Ou são os gritos de alegria de quem se vê finalmente livre deste país que amamos mas que já não aguentamos mais, como aqueles casamentos em que o que resta é apenas a companhia irritante do outro. Eu estou a perder os meus amigos para outros amigos que eles, obviamente, irão conhecer... Portugal perde uma geração inteira de pessoas mais do que qualificadas mas sem espaço já para poderem respirar. Eu não tenho pena dos que vão, eu tenho pena dos que ainda não conseguiram ir. E sinto falta deles todos. 


PS - Eu sou sem dúvida uma das poucas sortudas. Amo o que faço, o meu trabalho. Tenho a sorte de fazer exatamente aquilo que queria quando estava a terminar o meu (longo) processo de licenciatura. Mas isso não me impede de sentir saudade. Ou impede?

Wednesday, October 24, 2012

Resumo do fim de semana passado...


Tico: Irmão de Teco, é o mais inteligente dos dois. É apaixonado por Geninha, uma ratinha super inteligente que tal como Tico, nunca demonstra o seu amor por ele, mas todos sabem que os dois se amam.
Teco: Irmão de Tico é meio tolo, mas quando se trata de salvar a vida faz o impossível virar real, Teco também gosta de Geninha, mas sabe que o seu irmão gosta dela e não diz nada.

in Wikipedia



Tuesday, October 23, 2012

Ciência e Deus, exatidão e crença.

Antigamente os cristãos eram atirados às feras pelos romanos porque se haveria de existir um culpado, seriam aqueles que não partilhavam a mesma visão "mitológica". Mais tarde, queimaram-se livros, pessoas e ideias, porque não iam ao encontro do que estava escrito segundo a palavra de Deus, mais tarde veio a Ciência e as pessoas são agora presas e atiradas ao lixo, porque não acertam com a exatidão necessária aquilo que deveriam saber de cor, com data e hora marcada. Ou seja, a Humanidade nunca está bem com nada. Nem com Deus, nem com o Universo, nem com a Ciência. A equipa italiana não avisou dos possíveis efeitos de um sismo na região de Aquila, e morreram pessoas por isso; não queriam lançar também o pânico. As equipas portuguesas FARTAM-SE de avisar a população que vive nas zonas litorais, no Algarve e na área metropolitana de Lisboa, para o risco sísmico da zona e a probabilidade de ocorrência de um evento desses no nosso país. Ninguém foge, ninguém diz nada - ou seja, ninguém quer saber. Contudo, (e isto é-me cada vez mais difícil de digerir), sempre que a terra treme a SW de Península Ibérica e o pessoal sente, era como se nunca tivessem ouvido falar de nada, como se fosse um acontecimento de outro planeta e lá ficamos mais 2 semanas a levar com seminários, entrevistas, documentários, reportagens, etc. e etc..
Meus caros, ser-se cientista não é equivalente a ser-se uma máquina de calcular, pelo que é impossível saber-se o dia, a hora, minuto, segundo, a que uma catástrofe vai acontecer. Se assim for, então eu ainda me arrisco a ser presa por não acertar onde raio se deve furar o raio do poço para extrair petróleo ou gás. 

Ah-AH! So busted that you are!

Pois é.. grandes moralismos e tal por causa da crise e por causa dos concertos que se esgotam e vai na volta os Depeche Mode regressam a Lisboa, dia 13 de Julho, ao Optimus Alive e eu sempre quero ver se não irei comprar o bilhete. Pimbas, toma lá que é para aprenderes. 

Monday, October 22, 2012


@Monte Clérigo - Aljezur (20/10/2012)

Sabeis bem o quanto eu amo isto...

SIM...

... acredito plenamente que é possível gostar-se de mais do que uma pessoa ao mesmo tempo. Claro que se houver um casamento no meio, é bom saber-se que votos matrimoniais, seja para com "Deus" seja para o Estado, são para serem cumpridos. Dito isto, não sou muito apologista da infidelidade matrimonial, mas não descarto qualquer uma das outras. Assim, padeço várias vezes do mesmo sintoma estapafúrdio de gostar mais do que 1 pessoa. Geralmente quando me tratam como uma princesa... e principalmente quando eu há muito não estava habituada. 

Basicamente uma das coisas que aprendi durante este fim de semana.

Tuesday, October 16, 2012

Da mesma forma que...

Reciprocidade... realmente o homem pode estar a lixar à grande a vida de todos os portugueses (até mesmo daqueles que irão ficar sem o dinheiro por mês para comprarem um fato Hugo Boss), mas também é verdade que quando ele pede aos deputados da AR para, quando escandalizados e histéricos lhe dizem que isto não pode assim continuar, lhe apresentarem alternativas, parece que não têm nenhuma. Meus amigos... se continuam assim, a dizer que não pode mas sem apresentarem nada de novo, mais vale estarem calados. Porque para dores de cabeça já bem nos basta aquilo que nos é óbvio que nos chega ao pelo. 

What a F-WORD?


Loulé: escola proíbe criança de 5 anos de almoçar porque pais não pagaram mensalidade

A escola EB1 nº2 da Quarteira, em Loulé, proibiu uma criança de cinco anos de almoçar na última quinta-feira, uma vez que os pais não pagaram a mensalidade da alimentação até 9 de Outubro. A mensalidade é de €30 (R$79,1).
A notícia está a ser avançada pelo Correio da Manhã e diz ainda que a aluna, que frequenta a pré-primária, ficou a ver os colegas almoçar, ao seu lado, e que “uma das funcionárias foi impedida pela direcção da escola de pagar a refeição da menina do seu próprio bolso”.
“Nada justifica uma criança passar fome. Não é justo castigá-la a ela”, explicou ao Correio da Manhã a mãe da aluna, Teresa Francisco.
A denúncia do caso partiu de pais de outros alunos, que ficaram revoltados com a situação, considerando um acto de “má-fé” a forma encontrada pela escola para lidar com o caso. Segundo o Correio da Manhã, mais alunos não almoçaram nesse dia pelos mesmos motivos, noutras escolas do Agrupamento Dr.ª Laura Ayres.
Sobre o assunto, a directora, Conceição Bernardes, explica que “todos os pais foram informados das medidas, que seriam aplicadas caso não regularizassem as dívidas até 9 de Outubro”. Além disso, “podiam ter pedido a renegociação desses valores e até dos escalões, mas alguns foram negligentes e não o fizeram”. Os casos de incumprimento “foram participados à Comissão de Protecção de Crianças e Jovens”.

in: http://greensavers.sapo.pt

Desculpem, mas, tal como já referi anteriormente, chegamos ao ponto da crise ser mais do que financeira ou até mesmo de valores. É uma crise moral, em que se perdeu completamente a noção do bem/mal, certo/errado. É já uma coisa que me ultrapassa, mesmo quando estou com o meu humor de lobisomem. E o que aqui mais me choca foi a justificação dada pela "senhora" diretora, com certeza uma "tia" qualquer, sem formação mas que deve exigir o título de "doutora" quando a ela se referem ou se dirigem (conheço gente assim, quem não conhece, aliás?). De repente, a educação e a saúde deixaram de ser aquilo que supostamente são, para virarem instituições financeiras e bancárias - tal como nos bancos a falta de pagamento de casas leva à sua penhora, aqui impede-se uma criança de ser alimentada por falta de pagamento da mensalidade. E pior... proibirem uma educadora de pagar essa dívida do próprio bolso? Das duas uma, ou o problema do dinheiro é importante, ou então o problema é com a criança/ pais da criança em questão - pode ser simples embirração. Sei que há quem agora pense: mas Cláudia, imagina que se abre exceção para todos estes casos, que como sabes, serão cada vez mais... Tudo certo, se assim fosse, ninguém pagava nada a ninguém, mas não seria certamente o caso. Acho um exagero e uma falta de moral. Esta senhora, Conceição Bernardes é, para mim, imoral. Toda ela, o seu comportamento, a sua forma de pensar e, possivelmente, a sua forma de estar na vida. Ela não deveria estar naquele cargo, mas sim, numa gerência qualquer bancária, com risco dos clientes virem a perder os poucos bens que têm é certo. Mas uma coisa são os adultos, outra coisa, são crianças. E agora sim, digo... não me venham com o discurso de que nos dias que correm, quanto mais cedo aprenderem o custo da vida, melhor, porque estamos a falar de crianças, não de cifrões ou de euros. 

Monday, October 15, 2012

Coisas que me põem a pensar...

... e todos sabemos que pensar não é das minhas melhores qualidades. Mas, percebendo que estamos em época de crise e que as pessoas mesmo assim têm de se distrair com algo, será, ainda assim normal o concerto dos Keane estar já com os bilhetes esgotados? É que eu, se calhar é porque não posso mesmo, portanto não tento com isto censurar seja quem for, mas, quando estou muito aflita, mesmo que tenha alguns trocados no bolso, nem sequer gasto no h3 ou nas Vitaminas, preferindo uma sandes e sopa no Celeiro. Quanto mais gastar dinheiro em bilhetes de cinema ou livros (aprendi que DVD's e Cd's, só quando são produto nacional, senão tudo o resto - agora que é permitido - é retirado na Internet) e muito menos em bilhetes de concertos. Não quero que me levem a mal, quem me dera a mim ter a possibilidade de ver tanta gente que sei ser difícil cá voltarem durante muito tempo, mas... se andamos para aqui em protesto e em manifestações, não seria boa altura de mostrarmos mesmo o quão aflitos estamos? É que eu tenho para mim que enquanto surgirem estas notícias nos jornais a informar que os concertos esgotam e que os festivais tiveram muita adesão do público, os governos continuarão a pensar que, afinal, não se está a viver tão mal assim e mais sacrifício, menos sacrifício, o pessoal poderá suportar. Não, não suportamos, mas não temos de viver numa prisão onde o nosso único objetivo será trabalhar para "eles" e não para nós. 

Friday, October 05, 2012

... crise espiritual e do avesso, também!



"Em tempos, durante as grandes guerras, a bandeira hasteada ao contrário era sinal de que o local estava dominado pelo inimigo ou como pedido de socorro."







E chegamos ao 5 de outubro com uma crise espiritual....

Que fique bem claro que hoje estou revoltada. Não porque seja o último feriado (mini-férias ou whatever, who gives a fuck??), mas sim porque o PM Pedro Passos Coelho e, por conseguinte, o cidadão e pai Pedro, deram de frosques com medinho que lhe(s) acontecesse alguma coisa. Porque querem, tal como todos os outros que nos atiravam poeira para os olhos, que pensemos que isto é fait-divers, que as nossas queixas e, presumivelmente, "amuos", não passam mesmo disso, de queixas e amuos, como se fôssemos o Cristiano Ronaldo a fazer uma birra porque estamos a ganhar menos 1 milhão que o outro colega de equipa. Meus caros políticos (TODOS!), não estamos a fazer isto porque gostemos, não estamos a manifestar o nosso descontentamento porque queremos, mas sim porque estamos fartos e para uma cada vez maior percentagem da população da REPÚBLICA Portuguesa, é já a última forma de protesto, uma vez que não têm mais como se defenderem. E se acham mesmo que fugindo é o melhor remédio nestes dias de merda, então preparem-se porque quando voltarem, se calhar, será pior. Pessoas que vão contra a Constituição, vão contra a República e, a meu ver, em qualquer país, ocidental (e sem ser) do Mundo, a isso chamamos de "traição à pátria" - vide meus caros anormais que disseram que quando eu estava no Brasil estava a trair o meu país com as minhas comparações e declarações, vocês são uns atrasados que não sabem sequer distinguir uma coisa da outra -, e geralmente esse tipo de coisa, terminava com pena de morte. Pessoas que fogem do país em dias (ainda) considerados como efemérides nacionais, porque não querem participar nos eventos associados, são piores do que animais, ratos, que fogem da água quando o navio vai afundando lentamente. E quem fala nas personagens que todos sabemos, podemos também falar nos outros que já foram para Paris, Paris há uns 2 aninhos... esses sim, merecedores da faixa preta nos olhos, serem atirados contra uma parede... Calma, para aqueles que achem que sou extremista... ainda não viram nada. Mas uma coisa é certa: eu cá não escondo como sou. Obviamente que fui educada numa sociedade de consumo, capitalista, claro que sim, porque não? Fomos todos aliás educados nesse sentido. Não no de gastar desmesuradamente, mas sim gastar porque podíamos com coisas que lá fora, todos os outros também tinham, sem exageros. O pior são os que estão lá em cima, no topo da hierarquia dos assalariados. Esses gastaram e gastaram e gastaram até termos de ser nós, o que estamos na base, a ter de começar a pagar-lhes os vícios. E isso é que está errado. Se todos os portugueses trabalhadores, reformados, ex-gerentes, ex-CEO's e etc's. começassem a receber por mês 2000 euros, as coisas iriam correr bem melhor. Fala-se tanto agora em equitatividade, mas acho que quem menciona essa palavra não sabe o que ela deve significar com certeza. O que eu acabei de escrever acima é que é parecido com equitatividade: TODOS GANHAREM POR IGUAL.. mas claro que agora me dizem: um chefe não pode ganhar o mesmo que o empregado. Não pode porquê??? O valor de ser-se diretor ou chefe de algo vem da sua capacidade de trabalho e gestão. Não vem porque recebe mais ou menos que os outros. Vem porque é realmente bom naquilo que faz. Falo por mim, o valor que dou ao meu trabalho vem do meu empenho no que faço, não porque ganho bem ou mal. Aliás, o problema é exatamente esse: o pessoal tem a mania que o trabalho deveria ser compensado financeiramente e depois, muitas vezes dá raia no local de trabalho, para uns ganharem mais outros devem ser despedidos e entra-se assim no ciclo vicioso que levou Portugal ao estado em que está. CAÓTICO. Já chega de caganças. Portugal sempre foi um país, principalmente depois do 25 de abril, de caganças. E isso levou-nos à bancarrota. Deixe-mo-nos de mesquinhez e passemos realmente a cortar na despesa pública (e por falar nisso, POR FAVOR LARGUEM AQUILO QUE DEVERIA SER GRATUITO AOS OLHOS DE QUALQUER REPÚBLICA LIVRE E SUPOSTAMENTE DEMOCRÁTICA: TRANSPORTES, SAÚDE E EDUCAÇÃO!), nos salários dos gestores públicos e público-privados (sempre que eu leio isto dá-me ideia de serem ninfomaníacos..), cortem SERIAMENTE com as fundações de merda que nunca ninguém ouviu falar. Apostem realmente nos quadros mais jovens e com imensas ideias novas para colocar em prática (bolseiro também é um ser-humano, mesmo que muitos financeiros assim não o entendam). Enfim, comecem a pensar pelas próprias cabeças e não somente a partir das cabeças de outros. E outra coisa, não fujam, que é muito feio e poderá ter consequências a nível de ego brutais no futuro bem próximo. 


PS - Parem de se armar em "pidescos" só porque alguém vos chama à razão de quando em vez. Se algum dia algum mastodonte me tocasse porque eu tinha enviado o cidadão Pedro ou PM Pedro Passos Coelho para o cara... you know the rest, eu poderia acabar no hospital brutalmente agredida, mas o gorila também não se ficava a rir. 







Tuesday, October 02, 2012

Mais saudável que chocolate (1 por dia...) mas, infelizmente, não palpável...

... salvo seja, que se eu fosse (se eu fosse, que não irei porque é no Campo Pequeno e eu não gosto do Campo Pequeno  - não pelas touradas, mas sim pela acústica de trampa sempre que há um show), ao concerto do dia 17 de Novembro, vamos a ver se o menino Gotye, que segue na imagem abaixo, seria ou não palpável. Bom, há quem até dissesse que isto poderia ser algum défice de padrão europeu (sim, que ele lá por viver na Austrália é na realidade belga!) por causa da minha estada no Brasil. Mas, aí, eu digo: não, não, foi exatamente por influências brasileiras que estou a conspirar a favor destes moços de peles e cabelos claros e olhos azuis. Não me interpretem mal, mas foi o tipo de homem com quem mais convivi no Brasil em termos mais "românticos" se é que assim se poderá chamar, descendentes, claro da brilhante mescla europeia (italiana, na sua maioria), portuguesa, africana, and so on. E devo desde já esclarecer isto: ao contrário do que se pensa, o brasileiro é na sua generalidade, afável, simpático, metido na sua onda, não forçando situações que não são desejáveis ou saudáveis. Enfim, uns príncipes cavalheiros. 


* coisa mais fofa... quem diria que tenha 32 aninhos.. uma criança, pois claro! 

Monday, October 01, 2012

Wasn't about time!*

Com uma ligeira overdose de Michael Fassbender nas veias (mas isto agora será ver as estatísticas de visualizações ao meu perfil aumentarem por todo o lado). Sim, continuo a persistir na mistura irlandesa com outros genes europeus (ele até poderia ser americano, mas coincidência, HE'S (N)HOT!). E assim de repente tem algo de: Orlando Bloom (britânico), Jude Law (britânico), Ewan McGregor (britânico), Gary Oldman (not so long ago - britânico, claro!). 




* Wasn't about time de ver alguma coisa que me alegre (muito, muito) o espírito!