Posts

Showing posts from September, 2012

1000 publicações...

E Portugal está lentamente a desfalecer.... Passado exactamente, no calendário, um mês do meu regresso, sem vontade, sem amor, sem saudade à pátria, pelos quais fui tantas vezes criticada e violentada psicologicamente, verbalmente até, por pessoas próximas de mim que me chamaram de vadia e traidora, vejo que elas mesmas querem sair daqui porque já não aguentam mais. Ninguém aguenta. E no Governo, sim, governo desgovernado ao qual eu dei parte da sua (non-existent) maioria, só existem incapacitados mentais, pessoas com graves problemas de autismo que não compreendem NADA do que se passa cá fora, no mundo real e não na nuvem onde moram. Sempre pensei que a minha publicação de 3 zeros, fosse mais animada, mas a cada dia que passa, sinto que isto só irá piorar. E sei que não só a única a pensar assim. 

Ano Portugal no Brasil (e vice-versa)

Seria sem dúvida mais proveitoso se, por acaso, Portugal tivesse a mesma recepção no Brasil, do que aquilo que no sentido inverso ocorre. Para o Brasil o sentimento duplo de "irmão" e "colonizador" ainda está muito visível e, se é claro que falarmos a mesma língua pode ajudar à compreensão e integração dos dois povos, que quer se queira, quer não, têm culturas e formas de ser tão distintas, que nos afastam mais do que juntam. O que eles conhecem da nossa forma de ser é "ora pois", "gajo", padarias, Maria e António, pastéis de Belém (toma lá que o Cavaco já ganha uns pontos!), bacalhau e Roberto Leal (valha-me Deus!) e depois apanham uma pessoa que lhes tem de explicar que não é nada disso e acabam por perceber que eu sou tão estrangeira como um americano, francês, etc.. Acreditam, por motivos óbvios (segunda maior cidade japonesa deve ser São Paulo), a comunidade nipónica é masi brasileira do que qualquer comunidade portuguesa.  Outra coisa, lá, …

Está tudo louco!

Regressada do Brasil, com sentimentos mistos de quem não sabia ao que ia e não sabia, definitivamente, como iria voltar, vejo a situação do meu País. Entre restos de trabalho, férias que não o chegaram a ser por motivos vários, culminando numa manifestação de Poder do Povo, da esquerda à direita, novos e velhos, mais do que os da outra vez, sem ser a "passeio de final de tarde e de Verão", que me encheram de orgulho (mas não de Esperança). Ontem à noite, contudo, pelas notícias que hoje as páginas dos canais televisivos anunciam nas redes sociais, chego à conclusão de que se calhar, sábado, dia 15 Setembro, não passou de fogo fátuo. Houve quem tivesse ficado grudado à TV vendo coisas que, desculpem, afetam o meu intelecto mais profundo. Repito, sem dó nem piedade. Está tudo louco e mais do que uma crise financeira, Portugal está perante uma crise de valores.