Sunday, April 08, 2012

Crónicas de uma portuguesa a viver no interior do Brasil #1

Pedra da Gávea - Rio de Janeiro (Março 2012)
Primeiro impacto: o calor. Se bem que já sabia ao que vinha, e saindo de Lisboa com algum frio, sempre pensei que o calor que iria sentir não seria desconfortável. Mentira. Primeiro impacto: o calor húmido, que faz com que tudo cole à pele, e nos ajuda a ter de beber litros e litros de água para recuperar a que foi perdida. Segundo impacto: o trânsito. Em hora de ponta, as estradas do Rio de Janeiro se enchem de carros. É cidade grande, importante, com não sei quantas outras em volta, onde trabalham imensas outras pessoas. Terceiro impacto: não sei bem se estão na mesma posição, mas parece-me bem que sim. A vistoria de bagagem no aeroporto. Não estava à espera que me acontecesse, mas fui parada para me revistarem uma das malas que levei. O detector de raios X viu qualquer coisa que nem eu, nem a moça que estava a proceder à investigação, vimos. Em igualdade, como referi, a quantidade de pessoas que estão no meio das vias-rápidas pedindo ou vendendo coisas. Sou honesta, aterrei já estava escuro, auxiliado por uma trovoada e chuva muito forte. Não consegui ver muito além do que luzinhas ao longe indicando zonas habitacionais. Mas sei que, estive lado a lado com algumas favelas. O mesmo conceito que temos quando atravessamos a zona da Reboleira/Damaia de comboio? Pois, exactamente isso. Mas as gentes estão lá, com chuva, calor, tormenta. Pedem. Por tudo e de tudo. Não convém andar de janela aberta. Tudo fechado, se possível com vidros fumados. E com o AC ligado. No máximo!
É engraçado o conceito que temos do povo brasileiro. Em Portugal, talvez porque a emigração tenha sido, a páginas tantas, a de nível mais baixo, o preconceito é latente. Eu sou/era preconceituosa com os brasileiros. Aquele tipo de brasileiro que não era nem branco, nem preto, que não respeita os nossos limites, que é abusado, que é sacana mesmo. Que rouba e é capaz de matar sem problemas de consciência. Esse é também o principal flagelo aqui do Brasil. Os próprios brasileiros, sejam negros, brancos, mestiços, índios, têm medo. Mas mais em cidades grandes, ou muito popularizadas e turísticas. Mas se formos pensar em termos sociológicos e demográficos, percebemos de forma muito mais sensata onde reside o perigo e porquê. Só o Rio de Janeiro, o Estado federal, tem cerca de 8 milhões de habitantes. Falamos de quase o mesmo número de habitantes em TODO o território português. A Favela da Rocinha, uma das mais conhecidas e mais perigosas (e a maior) do Rio de Janeiro, cobre dois morros, e contém cerca de 300 mil almas a viver por lá. A cidade do Rio, tem cerca de 6 milhões. Ora, não é preciso ter dois dedos de testa para se entender que o espaço está densamente povoado e que a criminalidade é proporcional ao nº de residentes. O problema é que a imagem que o Brasil passa para fora é de que tudo é perigoso, tudo é ruim. Em algumas localidades é tão ruim como a Linha de Sintra, como a margem Sul do Tejo, como qualquer outra cidade europeia. Onde eu estou, por exemplo, em Rio Claro, é mais calmo do que a localidade onde moro em Portugal. Ou então é igual. Roubos há em todos os locais. Mas claro, que é muitíssimo menor do que em São Paulo (200 km a Sul), no Rio, em Natal, ou noutros locais. E depois, voltando à premissa do brasileiro abusado, que só bebe chope e pouco faz, estamos realmente enganados. Os que até agora conheci são simpáticos qb, um pouco mais quando percebem que eu falo a mesma língua, mas que não percebem bem. Basta eu dizer "pois" e topam logo a Portugalidade. Alguns dizem que os avós eram de Portugal, outros os bisavós. Curtem terem uma "exótica" na terra deles. Tornam-se mais afectuosos, mais presentes. Mas respeitam o meu espaço. Não colam, não ficam grudando, nem cercando. Quarto impacto: a mudança de opinião sobre o povo brasileiro.

No comments: