Monday, December 19, 2011

E por falar em cinema

Também vi há dias o filme mais deprimente de todos os tempos (quem acha o mesmo de O Abismo não percebe claramente do que fala): The Time Traveler's Wife. A Rachel McAdams vai lindamente, mas, tal como Benjamim Button, não consigo já acompanhar a tristeza que é a "realidade" dos personagens com as características paranormais mais paranormais possíveis. Como é que alguém consegue manter-se apaixonada por alguém que nunca está sempre connosco. Que desaparece estranhamente para a frente e para trás no tempo, que ainda por cima, sabe que vai morrer, porque a filha o avisa de tal no futuro, e depois a mesma acaba por avisar-se a si própria, mas no passado??? (Sim, a filha do casal principal também tem a mesma faceta viajante do pai). É uma tristeza atrás de tristeza. E depois, não estando contente com isso, já depois de morto, aparece à mulher no futuro, mas no tempo em que ainda estava vivo. Confuso? Pois, é preciso ver. Se o livro é também assim, ainda bem que nunca o li. Credo.

No comments: