Wednesday, February 09, 2011

Agora escrevendo de uma forma mais séria... a realidade é esta: fiz anos e a todos os dias que passam, fico um dia mais velha, supostamente mais sábia, supostamente mais tolerante, supostamente mais adulta e supostamente mais Mulher. E foi um ano difícil de resistir, embora muito rápido a passar. E sobrevivi ao que estava à espera e a outras mudanças com as quais não contava. E agora, recém-chegada ao novo ano, encontro-me novamente em mares revoltos, pior que tudo, sabendo que me posso afogar e até gostando da sensação de naufrágio constante, lutando por me manter à tona de água só pelo prazer masoquista que isso me dá. E a minha consciência moral, que deveria estar já melhor preparada para estes golpes que de quando em vez me assolam o espírito, está a um passo do precipício, gritando aos mares e oceanos que eu devo ir em frente, sem grandes medos e, sem nada a perder. Sim, eu posso não perder grande coisa, mas também me posso perder. E perder-me será deveras o mais assustador. Afogar-me será impensável embora muito tentador. O que eu dava por um momento de meditação à beira-mar, de certeza que viria de lá com a resposta certa à decisão que devo tomar. Mas até lá, vou baloiçando ora suavemente, ora com mais força perante a potência das ondas, esperando não escorregar e cair de vez.

2 comments:

Ana Clara said...

Seja lá qual for a idade, melhor do que baloiçar para a frente e para trás aos sabor das ondas...é irmos na NOSSA maré. Go with the flow que vais para a uma boa prais de certeza ;)

Clau said...

Ahhh, já vens tarde pá! Já me decidi... qual ir com a maré, qual carapuça. Vira essa boca para outro lado. LOL