Wednesday, March 10, 2010

Horror - v.3

Depois do caso do Leandro (que não tarda nada poderá ser descrito como uma criança problemática, vítima de violência em casa - E NÃO NA ESCOLA, PORQUE NA ESCOLA SÃO TODOS AMIGOS E NUNCA HÁ BRIGAS), temos outra história que, sendo completamente distinta não deixa de ser chocante. Talvez para mim, não seja um tema tão importante, que me possa chamar a atenção com tanta força, mas ainda assim, um outro caso de Horror. Um ex-estudante do IST, agora engenheiro, 30 anos, super simpático, super normal, com família não-disfuncional, com namorada gira e inteligente, com dinheiro... passou os ultimos 10 anos da sua vida a violar mulheres. O choque não está no acto, embora eu acredite firmemente que em casos de violação, o violador deveria ser capado, mas sim no facto desta pessoa ser um indivíduo confiável, percebem? Daquele tipo de pessoa que, de tão pacato, de tão cordial, de tão normal (sim, porra, é essa a palavra a empregar) nunca, ninguém poderia desconfiar nada. Aliás, pelo contrário, confiar-se-ia tudo, até a nossa filha ou a nossa neta adolescentes. O que se passa aqui, e este Horror que menciono tem a ver com o grau de confiança que podemos ter perante o Outro. Às vezes em grupos de amigos (há mais de 20 anos), conhecendo-se totalmente, pode acontecer um crime estranho, descobrirem-se passados criminosos. Será que estamos completamente bem quando o nosso grupo de amigos são só do género masculino? No meu caso, por exemplo. Após um interregno de ano e meio, voltei a sair com eles. Mas estou diferente. Sei ver-me ao espelho, estou mais vaidosa, maquilho-me, estou mais divertida. Isso faz com que olhem para mim, qualquer homem, seja amigo ou não. Faz-me sentir bem por um lado e com medo pelo outro. E com estes casos de pessoas aparentemente normais, então que podemos fazer? Começar a ficar de "pé atrás"? Não confiar em ninguém? Não confiar nos amigos de uma vida inteira? Só porque nos pode acontecer alguma coisa ou eles(as) podem ter comportamentos desviantes? É um assunto complicado, assustador, que mexe com a minha mente, pelo menos.

1 comment:

pedro polonio said...

só nos filmes amaricanos... os maus têm pinta de maus...
:)