Tuesday, February 16, 2010

Em resposta a um post da Tamia (T's Secret Hideout)

Sou honesta, ou prática, ou incrivelmente desumana, ou com falta de fé naquilo que se entende por Amor (entre um homem e uma mulher, entre duas mulheres ou entre dois homens). Podem dizer que tenho dor de cotovelo, inveja, desencatamento, o coração partido, o que quiserem. Para mim, o Amor só dura enquanto houver a faísca e a paixão, o Amor só dura enquanto acharmos que conseguimos mudar a vida e o mundo do outro para melhor, sem impôr a nossa vontade e que ele consegue fazer o mesmo à nossa. Quando isso acaba, quando isso termina realmente, deixa de ser Amor, passa a ser habituação. Não gosto da habituação, logo, não acredito no Felizes para Sempre. O ser-humano, sempre insatisfeito é incapaz de se contentar sempre com o mesmo, ou seja, de se contentar com a habituação. Eu não gosto, pelo menos. Por isso, prefiro ser solteira, prefiro ter os meus romances grandes, pequenos, reais, platónicos, mas enquanto estou apaixonada. A partir do momento em que os beijos já chateiam, entrelaçar as maos e dedos me começam a causar impressão, cada um vai para o seu sítio, mesmo que fique do outro lado do Atlântico, ou do Mundo. Perto de mim.. sim, enquanto houver Fogo... depois o fumo esvai-se.

2 comments:

Tamia said...

:)

Enquanto esse momento durar. Enquanto houver esse fogo.

Lizzie said...

Eu acho que é possível que o Amor dure, sem se tornar rotineiro, chato e um fardo. É querer, e encontrar a pessoa certa. Aquela com quem todos os dias é descobrir algo de novo nele e voltares a apaixonar-te como se fosse a primeira vez. Mas isso sou eu, que sou sonhadora e ainda acredito em principes (do século XXI) e finais felizes. E não me contentarei com menos :)