Monday, February 09, 2009

O efeito Twitter- parte II

Isto aconteceu ontem à tarde, Domingo, 8 de Fevereiro de 2009, durante os noticiários de Alberta Marques Fernandes. Foi bom para quebrar o tédio e fazer-nos sorrir um pouco. in: http://caoepulgas.blogspot.com/2009/02/joelysandra-o-twitterheroi.html ,
"Uns dirão que são pessoas sem muito que fazer, outros apreciaram com grande gosto um pequeno momento histórico na utilização do Twitter em Portugal. Chamem-lhe infantil, se quiserem, mas suponho que tenha sido a primeira vez que o Twitter fez com que um grupo alargadíssimo de pessoas pudesse seguir uma historieta que começou num fait divers e que terminou em apoteose interactiva nos ecrãs da RTPN...Ao início da tarde hoje e via Twitter, eu ( geograficamente no Rosário) discutia as vantagens e desvantagens de beber Ginja "com ou sem elas" com o Vasco Casquilho (Miraflores). O Vasco acabara de me dizer que tinha de ir comer e que iria ao Kentucky Fried Chicken. Recordando-me de uma conversa anterior, censurei-lhe a escolha, lembrando-lhe que ele queria perder peso e que o KFC estava longe de ser uma escolha racional. Concordou. Concordou de tal modo que me confessou que tinha ido antes ao McDonalds com as filhas. Começa então uma conversa cruzada entre um grupo alargado de pessoas entre as quais estava a jornalista Alberta Marques Fernandes (Lisboa) (RTPN) que estava na Marechal Gomes da Costa a trabalhar e que a ideia de comer um hamburger lhe despertava algum apetite. Aqui, o Joel (Póvoa de Santa Iria) enviou à Alberta um BigTasty virtual, coisa que desencadeou uma chuva de ironias da minha parte e da Paula Pico (Santa Iria da Azóia), "desancando" o próprio, dizendo-lhe que o melhor que tinha a fazer era meter-se no carro e vir a Lisboa entregar em mão um hamburger nos estúdios da RTP.Penso que nesta altura poucas pessoas estavam completamente longe de imaginar que o Joel não se ficaria sem responder à altura e muito boa gente me começou a perguntar directamente se aquilo do hamburger era mesmo a sério. "Não sei, mas parece-me que isto vai ser uma história curiosa de seguir..." foi a resposta que mais vezes dei enquanto prosseguiam as conversas cruzadas no Twitter. E de facto o Joel não se ficou, trocámos impressões sobre a localização do McDonalds mais próximos da Gomes da Costa (Olivais Shopping), e arrancou de casa em busca do Big Tasty que haveria de ficar famoso... Cumpriu na íntegra o fundamento número 1 do Twitter, o já famoso "What are you doing?" e não deixou nenhum momento por relatar e fotografar com o respectivo iPhone. Mesmo dentro do Shopping, foi alimentando a curiosidade de dezenas de Twitters. Comprado o Big Tasty, rumou à RTP onde tentaria cumprir o objectivo a que se tinha proposto. Haveria de lá chegar. obviamente, herói que é herói não se deixa abater pelas dificuldades, mesmo que estas se configurem em forma de cancela e segurança da portaria...Mas as coisas não são fáceis para os super-heróis. Tudo caminhava para o desastre! O Joel pede-me que avise a Alberta que está à porta de hamburger na mão, sujeito a morrer na praia, quando a Alberta me diz que faltam poucos minutos para entrar no ar com o Jornal das 18... Tragédia! Aguenta Joel Aguenta firme e não desistas! Admitem todos os que nesta fase estão a torcer pelo herói Joel que é um bocado aborrecido não se conseguir a entrega do pedaço de colesterol embrulhado. Perguntam-me de todos os lados o que é que vai acontecer. Não faço a mínima ideia, o Jornal das 18 está efectivamente no ar, a Alberta Marques Fernandes é a pivot de serviço, aqui não há muito a fazer, muito embora eu me divirta deste lado a tentar imaginar o Joel a entrar no estúdio e a deixar um embrulho de papel em cima do balcão das notícias...De cada vez que as peças televisivas vão entrando no ar, a Alberta vai-me dando indicações rápidas: "Deixem na portaria" ou "Alguém vai lá buscar", mas a já vasta plateia que imagino atenta à saga do hamburger quer o epílogo, qual epílogo, a mulher está no ar, querem o quê, um directo? O Joel é informado do que está a suceder, continua na portaria, quer ir para Alvalade onde vai apoiar uma equipa que veste de encarnado, tudo isto somado à pressão dos "twitteiros" curiosos que vão prestando atenção ao drama, à tragédia do hamburger que esfria dentro do papel de embrulho. "O que é que eu faço?" pergunta a Alberta enquanto o Louçã discursa na TV pela vigésima vez (que eu tenha contado). "Aquece no micro-ondas" digo-lhe eu entre sorrisos que ela nunca há-de chegar a ver. Tento ler-lhe no rosto a agitação do momento. Nada, nem uma ruga. Há um sorriso mas atribuo-o a um pequeno lapso de leitura de teleponto. "A loção do Estádio do Dragão está esgotada" diz ela, de pronto emendando a lotação. Entra um repórter cujo nome me escapa com um directo. É o suficiente para Alberta me dizer um precioso "Já cá está!" que descansa meio país que já há minutos está em suspenso da fortuna e da sorte da sandes de carne picada. Não sei onde é que a Alberta tem o computador, deve estar ali debaixo do balcão, ela vai-se safando entre os pingos de chuva do trabalho que cumpre sem desfalecimento. Gracejo. Digo-lhe que é nestas alturas que percebo a falta que me faz um televisor HD, que gostava de examinar a pantalha para lhe lobrigar um pingo de maionaise no canto da boca. Nada.Falta-me um sinal, uma evidência a prova cabal que o diabo do Big Tasty lhe está nas mãos. Desafio-a. "Precisamos de um sinal!", "Show us a sign!". Peço-lhe que nos deixe ver uma ponta do papel de embrulho. Obviamente sem qualquer esperança, não a estou a imaginar a trincar cebola, pão e carne no intervalo dos off das peças que se vão sucedendo em desfile. Mas ela está lá, atenta aos Tweets, aliás como esteve sempre, interactiva, colaborante, quase desde a primeira grande explosão twitteriana que levou uma boa dose adicional de espectadores à RTPN por via desta ferramenta curiosa. "Give us a sign, Alberta!" e ela mal pode dá, diz: "Pego na caneta. Pode ser?". Eu respondo-lhe que sim, que pode ser, preparo a câmara, testo a luz e fico à espera da pivot que no estúdio volta ao ar, e que discreta mas veementemente segura a caneta entre as mãos, levando ao delírio interactivo largas centenas de pessoas que nesta altura aplaudem e agradecem a atenção. Imagem: Paula Pico. A isto chamo televisão interactiva e disponibilidade. Dos simples e mortais espectadores e de um grupo de profissionais que até há pouco tempo víamos numa torre de marfim, inacessível. Não é verdade e acreditem ou não, a maioria dos presentes esteve verdadeiramente interessado em tempo real na viagem do hamburger. Obrigado ao Joel, à Paula, ao Vasco, ao Filipe Homem Fonseca, ao Bruno Nogueira, à Vanessa e a muitos outros cujo nome não retive que de uma forma ou de outra incentivaram o Joel na sua peregrinação. E obviamente à Alberta Marques Fernandes.Imagem: Vanessa SilvaIn ilo tempore: O Carlos teve a paciência de colar quase todos os Tweets desta saga. Estão aqui.Vinte e quatro horas depois, o jornalista TSF, Rui Tukayana, cobriu a notícia no Mundo Digital."

3 comments:

zequinhas said...

obrigada!

que belo momento :)

vi esta noticia no telejornal e achei graça porque já tinha lido aqui no blog.

hummm até o Cavaco Silva já usa...parece-me que tenho andado a perder algo.

bj
*

PoL said...
This comment has been removed by the author.
PoL said...

parece que sr. deputado pedro duarte se deu mal com o twitter...
:)