Wednesday, January 07, 2009

Pequenas revelações (6 Jan. 2009)

Não sei bem porquê mas há já uns dias que andava com ela fisgada. Concretizei ontem em jeito muito inocente o querer falar contigo. O meio de comunicação é irrelevante,- sempre o é-, embora deva confessar que tremo sempre que oiço a tua voz e fico com a barriga em modus operandi centrifugação 800 rpm quando te telefono. De uma forma pessoal é quase impossível devido à distância e aos horários desencontrados e começo a acreditar que a nossa (minha) falta de pontaria e timing são reveladores de algo maior que nós dois, o que me leva a acreditar igualmente que quando nos juntarmos acontecerá o mesmo que da 1ª vez, uma calma, uma amizade, uma sensação tão próxima de familiariedade que é como se eu te conhecesse há anos, e, aqui entre nós, até é verdade, por seres quem és, embora nunca me tivesse passado pela cabeça conhecer-te ao vivo e a cores, tratar-te por "tu" e dar-me ao "luxo" de poder contar com a tua amizade e sábios conselhos de pessoa mais velha e de homem, que digam as feministas o que quiserem, dão sempre jeito.
Mas há algo mais, há algo que me atrai em ti há já esses tantos anos, uma coisa que nunca cheguei a perceber e não me atrevo a questionar ou a pôr em causa, mas sei que de vez em quando, como hoje, resultado se calhar da nossa troca de mensagens instantaneas de ontem, apanho-me distraidamente a sorrir. Lembro-me de ti e fico bem, mesmo que saiba que à minha frente vêm tempos atrozes; não me posso deixar abater e devo pensar que as coisas vão correr bem, porque se correrem mal, pior não ficam- de certa forma tu é que me disseste isto.
Talvez seja simplesmente de mim, a minha típica atracção por homens mais velhos mas, definitivamente mais experientes e conhecedores melhores da capacidade humana. Tenho dias em que me sinto apaixonada por ti e hoje é um deles...Lá estou eu a sorrir novamente.

2 comments:

zequinhas said...

hummm gosto de ver a atitude "desta" Claudia...estou a ver que essa pessoa "mexe" mesmo contigo minha querida amiga!

já agora, AS MINHAS COLAGEEEEEEENS?

BJ
*

Physis said...

Amei a expressão "fico com a barriga em modus operandi". Discordo com o facto do meio de comunicação ser sempre irrelevante, todo o meio de comunicação é relevante, o que penso que querias que entendêssemos é que comunicas com essa pessoa por vários meios sem teres a preocupação "como vais comunicar".

Como o "zequinhas" disse que gostava deste teu lado, a mim também me pareceu muito "diferente" daquela mulher de ciências cheia de arghs.

Que te apaixones mais "hojes", que dês ares de sorrisos mais vezes, sente felicidade, não necessariamente num homem mais velho, numa pessoa, apaixona-te pelo estúpido da vida, por coisas a quem ninguém dá valor, sorri quando ninguém acha graça, sê tola, vive e revela-te.