Sunday, January 04, 2009

Mais do mesmo: mas eu quero ler comentários! Positivos, negativos, a favor, contra.. Democracia pessoal! Vá lá!

"Na Palestina há duas nações. Duas nações sobrepostas que se odeiam e se perseguem. Dois povos discriminados, atirados para a “Terra Prometida”, pela arrogância e hipocrisia dos países ocidentais. Foram eles que, no post-II Guerra Mundial, decidiram colocar num mesmo território judeus e palestinos, sabendo ou devendo saber que eram incompatíveis. Os judeus receberam um país como indemnização de guerra. Foram tratados com a deferência que a sua condição de vítimas do nazismo parecia merecer. A comunidade judaica exigiu aquele bocado de deserto, quando chegou a haver planos para a sua instalação em Angola e noutras regiões de África. Teimaram na “Terra Prometida”, donde tinham sido expulsos há mais de mil anos e os tontos negociadores não só cederam como acrescentaram um chorudo pacote de armamento para despejarem os “infiéis” que por lá andassem. Como sempre tenho dito, a única forma de regular sensatamente esta indemnização de guerra teria sido a cedência da Baviera ou da Vestefália ou de qualquer outro estado alemão para instalação dos judeus dispersos. A Alemanha pagava em território o holocausto nazi. Assim, apenas se arranjou um novo holocausto, agora na Palestina e com gente que não tinha nada a ver com isso! Os palestinianos encerrados em faixas, enfaixados em muros, controlados por barreiras, vigiados electronicamente, num “apartheid” sem emprego e sem esperança, votam desesperadamente em partidos extremistas que os manipulam até ao suicídio bombista, num fanatismo religioso inglório e pecaminoso. É óbvio que os judeus têm direito à segurança. Não querem terrorismo, nem bombas na cabeça. Estão no seu direito. Deram-lhes um território. Querem paz e desenvolvimento… Os palestinianos também! Só que a paz de uns é a guerra de outros e vice-versa! O que está em causa neste momento, contrariamente às opiniões maniqueístas que nos querem impingir, não é a religião, nem a intolerância. É a falta de vontade política. É a manutenção da arrogância ocidental, por um lado, e da argúcia de certos países e grupos de pressão islâmicos interessados em manter o conflito, por outro. Quando desaparecer aquele foco de luta que, simbolicamente, representa a disputa entre a supremacia entre as civilizações ocidentais e orientais que pretexto haverá? Será que querem mesmo a paz ou os negócios da guerra continuam a ser os mais rentáveis? Tudo isto poderia ter sido evitado em 1950! Perante este cenário é espúrio falar nos estados de alma do Presidente da República, nas maravilhas do orçamento de Sócrates ou no facto de os “gays” não serem ecológicos, segundo o papa… Sessenta anos depois da Declaração dos Direitos Humanos continuamos sem olhos em Gaza! Jorge Pinheiro"

in: http://www.olhardireito.blogspot.com/

P.S.- Antes do desmembramento dos Balcãs, as populações ortodoxa, muçulmana, judia e cristã/católica, viviam em paz.

Ainda mais atrás no tempo, numa região designada por Salónica, os mesmos povos anteriormente referidos também viviam em paz.

Em Jerusálem, há mais de 1000 anos atrás, cristãos, judeus e muçulmanos viviam em paz (ou pelo menos faziam o esforço para tal). O que terá acontecido desde essas alturas??

1 comment:

Valdemar Domingos Fagundes said...

DE FACTO OS POBRES DOS JUDEUS PAGARAM PELO ERRO DE SEUS ANTEPASSADOS, SEM HAVER NECESSIDADE, PORQUE O PRÓPRIO JESUS QUANDO FOI SACRIFICADO OS PERDOE-LHES.

Pedro mostrou o que os judeus deviam fazer, devido ao tratamento que haviam dado ao Messias. (3:19-26) Tinham de ‘arrepender-se’, ou seja, sentir remorso por causa de seus pecados e ‘dar meia-volta’, ou ser convertidos, tomando um rumo oposto. Se exercessem fé em Jesus como Messias, aceitando o resgate, receberiam refrigério da parte de Jeová na condição de quem se lhes perdoou os pecados. (Romanos 5:6-11) Lembrou-se aos judeus que eles eram filhos do pacto que Deus fizera com seus antepassados, dizendo a Abraão: “Em teu descendente serão abençoadas todas as famílias da terra.” Assim, Deus primeiro enviou seu Servo Messiânico para livrar os judeus arrependidos.

ELES PERDERAM A SUA NAÇÃO AO SACRIFICAREM JESUS,MAS DE QUALQUER MODO A PROFECIA TINHA DE SE CUMPRIR,TRAZENDO AS CONSEQÊNCIAS PARA OS JUDEUS.

20 Aqueles líderes judeus não promoveram o amor. Suas tradições produziram uma religião obcecada pelas aparências, na obediência mecânica para se destacar — foco vivo de hipocrisia. (Mateus 23:25-28) Seus regulamentos criavam incontáveis motivos para julgar os outros. De modo que os fariseus orgulhosos, autoritários, se sentiam justificados de criticar o próprio Jesus Cristo. Perderam de vista o objetivo principal da Lei e rejeitaram o único verdadeiro Messias. Este, por sua vez, teve de dizer à nação judaica: “Eis que a vossa casa vos fica abandonada.” — Mateus 23:38; Gálatas 3:23, 24.


ELES HOJE OCUPEM UMA NAÇÃO QUE NÃO É DELES PELO DIREITO,MAS SIMD OS PALESTIANOS, E EIS O ÓDIO DAQUELA GENTE AOS JUDEUS, PORQUE A TERRA DELES FOI INVADIDA.
No caso dos que eram da nação Judaica, sua imersão, até o ano 36 E. C., também era símbolo da apresentação de si mesmos como membros duma nação dedicada. Depois disso, o batismo de cristãos, quer de origem judaica, quer não judaica, era em símbolo de sua dedicação, por haverem terminado os tratos de Jeová com os judeus por meio do pacto da Lei, após a morte de Jesus em 33 E. C. e o término do período de favor especial para com Israel, pouco antes de se levar o evangelho cristão aos não-judeus. Portanto, no atual período posterior, tanto judeus naturais como não-judeus naturais, pessoas de todas as raças e origens, são individualmente iguais perante Jeová Deus, tendo a oportunidade de fazer uma dedicação pessoal, e, depois de a terem feito, cumprirem a obrigação de simbolizá-la pela imersão em água.

HOJE OS JUDEUS SÃO ACEITES POR DEUS COMO QUALQUER OUTRA NAÇÃO,DEUS NÃO É PARCIAL.

(Atos 10:34-36) . . .Em vista disso, Pedro abriu a boca e disse: “Certamente percebo que Deus não é parcial, 35 mas, em cada nação, o homem que o teme e que faz a justiça lhe é aceitável. 36 Ele enviou a palavra aos filhos de Israel, para declarar-lhes as boas novas de paz por intermédio de Jesus Cristo: Este é Senhor de todos [os demais].. . .

ISTO JÁ FOI DEPOIS DA MORTE DE CRISTO E DE ELE TER SUBIDO AOS CÉUS,MAS DEVIDO Á IGNORÂNCIA DOS HOMENS,ELES PERSEGUIRAM E MATARAM INOCENTES SEM RAZÃO APARENTE,MAS DEUS PROVALVELMENTE OS VAI TRAZER DE VOLTA.

(João 5:25-30) 25 “Digo-vos em toda a verdade: Vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que tiverem dado ouvidos viverão. 26 Pois, assim como o Pai tem vida em si mesmo, assim também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo. 27 E deu-lhe autoridade para julgar, porque é Filho do homem. 28 Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz 29 e sairão, os que fizeram boas coisas, para uma ressurreição de vida, os que praticaram coisas ruins, para uma ressurreição de julgamento. 30 Não posso fazer nem uma única coisa de minha própria iniciativa; assim como ouço, eu julgo; e o julgamento que faço é justo, porque não procuro a minha própria vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

AQUI FICA ESTE TESTEMUNHO DE DEUS SOBRE A NOSSA DESCENDÊNCIA,PORQUE NÓS TODOS DERIVAMOS DO POVO DE DEUS,PORQUE ABRAÃO FOI PAI DE MUITAS NAÇÕES,QUER ACREDITAMOS OU NÃO, E OS JUDEUS SÃO O NOSSO PRÓXIMO COMO QUALQUER OUTRA NAÇÃO.
(Marcos 12:29-31) . . .Ouve, ó Israel: Jeová, nosso Deus, é um só Jeová, 30 e tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de toda a tua mente, e de toda a tua força.’ 31 O segundo é este: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ Não há outro mandamento maior do que estes.. . .