Wednesday, December 31, 2008

Pergunta da noite na RTP N: A democracia portuguesa sofreu um sério revés com o Estatuto dos Açores?

Claudia Silva 2008-12-30 17:40:12 Brincadeira de adultos... O jogo do gato e do rato, mas neste caso num contexto sério. A única coisa que se apresenta aos cidadãos é que a democracia está em risco, uma vez que nem o PR tem capacidade de ir contra aquilo que o PM e respectivo governo querem fazer, ou seja, parecem ser donos e senhores da verdade e tudo o que decidem é tido como dogma (verdade absoluta) que não se pode pôr em questão. Pois é, o Presidente deveria ter educado melhor as crianças (imposto regras), como não o fez (limitou-se a compactuar), estas viram-se contra o tutor.

Tuesday, December 30, 2008

Museu Nacional de Arte Antiga

Alguns dos acontecimentos que mais marcaram os meus 24 anos devem-se sobretudo a actividades culturais nas quais estive envolvida. Lembro-me que aos 8/9 anos fui numa visita de estudo ao Museu da Marinha anexado ao Mosteiro dos Jerónimos e que adorei tudo o que vi, de tal forma que ainda me lembro de alguns detalhes. Sei que o dia estava chuvoso e ventoso, e sei que aquilo tudo me fez ficar com uma ideia um bocado romântica da zona de Belém. Acho que é por isso que tanto gosto daquele local. No Verão passado tive a oportunidade de ir pela segunda vez à Austria. A principal diferença é que a 1ª foi muito mais voltada para a visita guiada (ainda que de forma personalizada), e desta vez as coisas, até por motivos de saúde, foram um pouco mais individualizadas. A minha mãe ia para onde queria e eu fui para onde quis. Mais uma vez e para não me desapontar as expectativas choveu, como aliás acontece em todos os verões na Europa Central, mas definitivamente, o facto de estar sozinha e visitar o Museu de Arte de Viena num dia de pleno Inverno em vésperas de apanhar um comboio para Salzburgo foi incrível. Praticamente não houve tempo em 2 horas e meia de o ver todo, e a páginas tantas dei por mim a ouvir os avisos de encerramento de portas. Fiquei desolada. Mas vi obras de arte que não encontro palavras para as descrever, na sua maioria de autores bem conhecidos, e inspiradas quase todas em passagens bíblicas. Acreditem quando digo que aprendi mais sobre o Livro nessa tarde do que se tivesse assistido alguma vez à catequese. Por isso, porque ainda não tive tempo para terminar de ver aquele museu, hei-de lá voltar um dia. Até lá volto a abrir os olhos e o coração aos museus nacionais, que afinal também fazem as delícias de muitos turistas e não só, embora, naturalmente sejam mais pequenos. O meu objectivo é ir nos próximos dias pela primeira vez ao Museu Nacional de Arte Antiga; vamos ver se não me desiludo.

Isto foi do melhor... quase quase a ser o highlight do dia, superado somente pelo post anterior..

Monday, December 29, 2008

Sabe-se lá como, mas hoje o meu nome foi mencionado na RTPN, perante a fotografia do dia.

"Intolerância gera ódio: Quando vemos a nossa vida a ser roubada, as nossas terras também, e não temos mais nada a que nos agarrar, levantamos as mãos em sinal de defesa, em sinal de súplica. A pedra é desprezo, mas a guerra israelita também o é." de Cláudia Paiva Silva
http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/noite-noticias/?k=A-Noite-A-Net.rtp&post=5992

Mensagem de Natal enviada ontem por mim à Embaixada de Israel.

"Caro Sr. Eitan Koka É com profundo pesar que me dirigo à Embaixada de Israel. Escrevo isto porque após ler no vosso site tudo aquilo que um "território tão pequeno" conseguiu em termos de crescimento mundial, convém dizer que em termos de compaixão não ganharam nada, perderam tudo e conseguem dia após dia perder o pouco respeito que a comunidade mundial sente por vós. O povo "perseguido", o povo "martirizado", o povo "eleito de Deus"??? Mas que justiça divina é então esta que deve congratular-se pelos bravos actos que Israel tem coonseguido ao longo dos últimos 60 anos efectuar. É triste, muito triste ver que milhares de anos a serem espezinhados apenas resultaram num povo mau, porque são maus todos os judeus que conheço, porque têm a mania da perseguição, porque não conseguem ultrapassar as coisas, porque se sentem ameaçados constantemente. Não admira... Tiverem que ser os Ingleses na década de 40 a darem-vos um pequeno punhado de terras para que aí se estabelecessem. Terra essa que não é, nunca foi e NUNCA, mas NUNCA será vossa. Essa terra que para vós é tão sagrada, chama-se Palestina, e pertence aos palestinianos, sejam eles fundamentalistas ou não. Mas que interessa isso para vós, não é? O povo escolhido por Deus, o mesmo que preferiu Barrabás a Cristo na altura da decisão, é apenas o "dono do Mundo", o dono da Economia Mundial... De onde virão todos estes milhoes de milhoes de euros e dólares que servem apenas para tapar os buracos? Porque razão os Estados Unidos e o Reino Unido se ajoelham perante os vossos actos selvagens para contra a Faixa de Gaza? Uma barbárie da pior espécie, um terrorismo (sim, o vosso) da pior espécie.. Devo admitir que a Santa Inquisião falhou. Falhou porque matou muitos pessoas injustamente, erradamente, mas na realidade, isso só serviu para que vós se sentissem ainda mais superiores. Nunca cedem, nunca mostram arrependimento, nem tão pouco a tal compaixão que mencionei a início. Apenas ódio, apenas desprezo para com os outros povos e gozo pelas outra nacionalidades. Fazem gato sapato de tudo e de todos e ainda se atrevem a dizer que fazem o que fazem para defender o que é vosso? E o que é vosso afinal???? Não podem, não devem, nem têm o direito de defender território que vos foi dado!! Mas aposto que se alguém disser isto, ainda se arisca a ter que lamber o chão que pisam não? Não lutaram por o merecer, mas matam para o ter. Qual Hamas, qual carapuça. Israel nunca vai chegar a acordo com o Estado da Palestina porque não quer, porque não está disposto a dar o braço a torcer, porque o povo judaico nunca irá baixar a cabeça nem que seja pelo bem comum. São uns porcos. E como tal, no dia em que uma bomba rebentar com a vossa santa terra, ou com as vossas belas embaixadas pelo mundo, eu irei aplaudir de pé. Não por ódio, mas porque acho que justiça foi finalmente feita. Não merecem viver num mundo como este, nem tão pouco são o povo eleito de Deus. Que blasfémia! Claudia Paiva Silva"
PS- Tenho amigos judeus, israelitas, mas não assassinos. Há que saber ver a diferença e os que menciono acima são apenas a grande fracção da sua comunidade. Não admito que um governo tome medidas destas, como donos do mundo, tal como não aceitei a invasão americana ao Iraque, nem outras "missões" do mesmo género em outros países. Dá para ver que 2000 anos de história, não vieram alterar em nada as mentalidades humanas.
PS2- Não obtive, obviamente, resposta.

Sunday, December 28, 2008

Por falar em ilusão, debati-me nos últimos dias, não só com o inicio do que parecia ser certo como gripe, mas que felizmente não passou disso mesmo, um aviso que tratei logo de despachar, como por certo de saber se o próximo ano já de si tão horroroso, me iria trazer a alegria de ter a minha vida resolvida. Deparei-me com a resposta um tanto ou quanto improvável: a minha vida está resolvida sim, mas não mais terá a ver com a de outras pessoas. 2008 foi um ano funesto em variados termos pessoais, mas sem duvida libertadores per si. Percebi que certas coisas não estavam bem e tentei mudá-las, mas enquanto que as situações mudam, as pessoas não o fazem tão facilmente e desisti de o fazer. Por umas e por outras esperarei sempre o melhor que têm. Podem ter a certeza que por mim, as coisas ficam como estão, que não volto a mexer um dedo que seja para ludibriar seja quem for e garanto que vou conquistar o meu espaço num grupo tão pequeno mais tão quebrado. Deixei de sentir vontade de pedir desculpa até para falar, como se tivesse um medo latente de ser gozada ou mal interpretada. Seria injusto para mim e para com outros e sinto que essa atitude só melhora a imagem que tenho de mim e que transmito aos outros. Que mania de bajular tudo para ser aceite quando me farto de saber que é exactamente por ser como sou que "salto à vista". Mas sim, estou mais tranquila, mas não menos reivindicativa, apenas controlo melhor o meu humor aos que me são próximos, e aos que me eram próximos. Quiçá o que o verdadeiro anno horribilis me trará de melhor e diferente?
Que o vosso Natal tenha sido unificador e glorificador das vossas vidas com os que demais vos são queridos, sem cinismos. Este ano decidi não ser cínica e com uma determinação única recusei-me a passar o dia de Natal com parte da minha família. Em contrapartida assisti impotente ao abrir de prendas da minha prima mais nova, numa loucura maternal que me fez ficar boquiaberta; como é possível uma criatura tão pequena ter já tantos brinquedos? Chego facilmente à conclusão que a este ritmo a pequena terá um telemóvel aos 5 e um automóvel aos 12. Por outro lado, fiquei com a nítida impressão que os portugueses estão loucos e que caminhamos rapidamente para o suicídio em massa. Não há outra forma para explicar a loucura de comprar antes do Natal (e com isto atiro a primeira pedra- Natal é sinónimo de compras e não de nascimento nenhum) e não logo a seguir, no dia 26, quando os preços começam a descer a pique. Pelo menos o meu estimado Corte Inglés não fez a coisa por menos e toca a remediar o mal que não foi feito antes do dia santificado: tudo o que é para vender, não vai a bem, vai a mal e transforma os grandes armazéns numa autêntica a real feira onde os preços (com a chancela de Black Friday-Sexta Negra na queda de preços) rondavam os descontos de 10 euros (antes era 200 agora, 190!). Bom, quando confrontados com a situação, os consumidores activos limitavam-se a dizer que tudo o que tinham para gastar, já tinham gasto e que "realmente, é uma estupidez não comprarmos depois. Fica muito mais em conta." Pois é, enquanto isso, os consumidores passivos abriram a pestana e toca de encher tudo quanto era centro comercial e assim, em resumo, e como moral da história percebe-se que o Natal é nos dias 27, 28, 29 de Dezembro, podendo prolongar-se enquanto houver stocks existentes até finais de Fevereiro. Mas este cenário é apenas parcial. Depois temos a tão falada crise, que até há bem pouco tempo, nem sequer era levada muito a sério pelos nossos governantes: uma coisa que passa ao lado da nossa "esquina no mundo". Afinal agora temos que estar preparados para as ondas de 10 metros que ameaçam a nossa costa e a nossa frente também. O cenário para 2009 é tão mau, mas tão mau, que eu já me limito a desejar um Bom 2010 para muitas pessoas; sempre é melhor que iludi-las não é?

Mais música que me agrada ao ouvido

Saturday, December 27, 2008

Broken Strings

Let me hold you

For the last time

It's the last chance to feel again

But you broke me

Now I can't feel anything

When I love you,

It's so untrue

I can't even convince myself

When I'm speaking,

It's the voice of someone else

Oh it tears me up

I try to hold on, but it hurts too much

I try to forgive, but it's not enough to make it all okay

You can't play on broken strings

You can't feel anything that your heart don't want to feel

I can't tell you something that ain't real

Oh the truth hurts

And lies worse

How can I give anymore

When I love you a little less than before

Oh what are we doing

We are turning into dust

Playing house in the ruins of us

Running back through the fire

When there's nothing left to save

It's like chasing the very last train when it's too late

Oh it tears me up

I try to hold on, but it hurts too much

I try to forgive, but it's not enough to make it all okay

You can't play on broken strings

You can't feel anything that your heart don't want to feel

I can't tell something that ain't real

Well the truth hurts,

And lies worse

How can I give anymore

When I love you a little less than before

But we're running through the fire

When there's nothing left to save

It's like chasing the very last train

When we both know it's too late (too late)

You can't play on broken strings

You can't feel anything that your heart don't want to feel

I cant tell you something that ain't real

Well truth hurts,

And lies worse

How can I give anymore

When I love you a little less than before

Let me hold you for the last time

It's the last chance to feel again

(James Morrison com Nelly Furtado)

Monday, December 22, 2008

Receitas para variar na consoada...

Bacalhau dourado com espargos e praliné de frutos secos: Para 4 pessoas
2 lombos de bacalhau alto peviamente demolhados
2 molhos de espargos
30 g de miolo de pistácios
30 g de miolo de cajú
30 g de miolo de pinhão
sal e pimenta qb
azeite para fritar qb
1 folha de louro
4 ou 5 grãos de pimenta preta
farinha qb
Escalde os lombos de bacalhau durante alguns minutos em água a ferver com os grãos de pimenta e a folha de louro. Poesteriormente escorra-os, tire-lhes as espinhas e corte-os em bocados regulares. Elimine a parte mais rija dos espargos e coza-os em água e sal. Pique grosseiramente os frutos secos na picadora, adicionando-lhes um pouco de sal e pimenta. Aqueça o azeite numa frigideira. Passe os bocados de bacalhau pela farinha, sacuda-os bem e frite-os em azeite bem quente até ficarem dourados. Sirva o bacalhau com os espargos, salpicando com a mistura os frutos secos. Regue com um fio de azeite. Ravioli de massa preta com recheio de bacalhau e broa gratinados com queijo da ilha (ou outro queijo bom qualquer): Para 4 pessoas
2 embalagens de massa fesca ravioli com recheio de bacalhau e broa
100 g de queijo ralado
água qb
sal qb
50 g de manteiga
Coza os ravioli em água abundante temperada com um pouco de sal. Tenha o cuidado de os colocar apenas quando a água estiver a ferver. Entretanto derreta a manteiga numa frigideira antiaderente.Escorra a massa. Posteriormente passe-a para a frigideira e deixe saltear alguns segundos mexendo muito delicadamente para não partir os ravioli. Coloque a massa num tabuleiro de forno e distribua o queijo por cima. Leve ao forno na função grelhador (ou microonda na potência maxima) até o queijo gratinar.

Sunday, December 21, 2008

Frida Khalo- Viva La Vida!

Enquanto o tempo passa e não passa e eu espero que apesar de tudo passe ligeiramente mais devagar, fico igualmente à espera de ver esta magnífica peça de teatro inspirada na vida trágica de Frida Khalo interpretada pela não menos magnífica actriz portuguesa Fernanda Serrano, que aproveita assim para tomar um novo fôlego à sua vida que durante estes últimos meses também não esteve nada facilitada. Fica o vídeo da ver a transformação:

Friday, December 05, 2008

vamos tentar outra vez...

"Vende-se"

"Na 2ª pessoa"

"Sina"

"Sete Mares"

"Notícias de ti"

"No teu último degrau"

Me, me, me, me, Estela e Serafim...

Classificados@Aula Magna

Entrei em desespero.. Os vídeos que gravei ontem à noite no brilhantíssimo concerto que a banda portuense Classificados ofereceu ao pessoal do Sul, são literalmente obesos para qualquer tentativa de upload ou envio para mails, youtubes ou mesmo para blogs, pelo que tenho que me limitar às fotografias. Por um lado, é mau, mas por outro, é bom, pois assim escusam de ouvir a minha voz durante grande parte dos mesmos. Mas assim que alguém me der a ideia de como os tornar mais pequenos, irei fazer o upload de pelo menos, o último, uma vez que foi dos melhores momentos (de quase todos os melhores momentos) do genial espectáculo. Aula Magna quase quase cheia, tudo em pé, tudo a aplaudir, tudo a cantar.. Foi mesmo uma noite especial, apesar da falha de energia que se fez sentir (e bem!) durante a tarde pela Alameda da Universidade de Lisboa e arredores. Serafim, Sérgio, Pedro e Paulo, muitos parabéns!

Wednesday, December 03, 2008

Twilight/ Crepúsculo

Adolescentes com risinhos abafados, adultas com cara de parvas... enfim, todas a babar literalmente durante os 140 minutos certinhos e direitinhos de longa-metragem. Os rapazes que se cuidem, os namorados que fiquem em alerta, os maridos que as tranquem em casa, pois Edward Cullen (Robert Pattison) está à solta pronto a morder a Bella (Kirsten Stewart) que existe em cada uma de nós, e acreditem, todas temos algo de puramente ingénuo e infantil e de valente em nós. O filme só estreia amanha, quinta-feira, mas ontem, terça, pelas 21.30 (e não foi assim há tanto tempo quanto isso), tive a oportunidade de ver em antemão o filme indie, sem grande mão hollywoodesca, Twilight ou Crepúsculo, baseado no livro homónimo, best-seller americano e, em breve, mundial da americana (e mormom) Stephenie Meyer. Um vampiro apaixona-se por uma mortal- que original!-, mas quando se começa a perceber que aquele vampiro é diferente dos outros, e que a relação entre ambos está muito além de, lets put things into basics, sexo, então o melhor é parar para ver com mais atenção. O que se poderia tornar em mais um Harry Potter, acaba por se tornar numa saga de 4 livros bastante coerentes, com histórias que fazem sentido, para quem quiser perder tempo a ler fantástico. Se não gostam do género, por favor, não leiam e não tentem persuadir outros a não lerem também- nada pior do que receber críticas, ainda que construtivas, a dizer que estamos a perder tempo. Pelo que vi hoje no Cine-teatro São Jorge, foi a sala principal inteira que perdeu tempo a ler os livros, ou, neste caso, o primeiro. Como já referi não pensem que vão ter grandes efeitos especiais, ou grandes diálogos, porque não vão. Mas também não é um filme para desistir a meio; quem gosta, vai até ao fim.. e eu gostei muito... tanto que também babei... Quando Edward se apaixona por Bella a coisa não podia correr pior, pois a família dele sem excepção é vampira, e, de alguma forma têm de se adaptar ao novo elemento da família. É tudo muito bonito, muito cor-de-rosa, muito romântico até que, vampiros diferentes (daqueles que mordem mesmo pessoas e não se ficam por uma dieta tipo mediterrânea dos que só caçam animais irracionais) chegam à cidade de Forks (estado de Washington, Noroeste americano- lembram-se de Twin Peaks? Gorgeous..). Bella é "apetitosa" demais para ser deixada em paz, e nem mesmo os avisos da família Cullen parecem importar. Inicia-se a caçada, o jogo do gato e rato. Tudo em meias doses para não suscitar muitos gritinhos histéricos, até os beijos são em meia-dose, porque menino vampiro pode morder sem querer menina mortal. Para se ir lendo aos poucos e ver enquanto está no cinema. Primeiro estranha-se e depois entranha-se.

Monday, December 01, 2008

Ocultação de Vénus, ou o que resta dela...

"Quem nas últimas semanas tenha observado o céu ao cair da noite terá reparado em dois pontos de luz fixa, branca e muito brilhante que se destacam acima do horizonte de sudoeste. Trata-se de Júpiter, à esquerda, e de Vénus, à direita. São astros inconfundíveis, que se têm vindo a aproximar visualmente. Nos próximos dias, o espectáculo tem um magnífico desfecho. Esta noite, Vénus aproxima-se de Júpiter, ficando por baixo deste a uma distância angular de 2,5º, o que é raro. Na noite de domingo, a distância entre os dois planetas diminui ainda e surge à direita uma Lua muito jovem, reduzida a um fino risco luminoso. Finalmente, na noite de segunda, a Lua oculta Vénus pouco antes do pôr do Sol e a noite começa com o planeta aparecendo pela direita do limbo iluminado do nosso satélite. É um espectáculo muitíssimo raro e belo. Quem tenha binóculos ou um pequeno telescópio poderá registar a ocultação de Vénus, que se consegue observar à luz do dia, tendo a Lua como referência. O fenómeno começa pelas 15h27 e termina pelas 17h11, mas é preciso um grande cuidado em não apontar os instrumentos para o Sol. O espectáculo deste trio celestial termina cedo. Pelas 8h já os astros se afundam no horizonte. Só nos resta esperar bom tempo e céus limpos." in Expresso
Há sempre que relembrá-lo, porque parece que com o tempo a memória fica mais curta...